219 347 706 Email Facebook
Windows

Microsoft prepara-se para dar uma nova cara ao Windows 10 na próxima grande atualização

16 de Novembro de 2018 às 09:16

Afinal não foram as baterias que tramaram o Note7

6 de Dezembro de 2016 às 09:51
Samsung Note7


Desde que os primeiros incêndios nos Note7 que apareceram várias teorias para tentar explicar a situação anormal que padeceu o topo de gama das Samsung.A bateria foi “sempre” apontada como a causadora destes incidentes… mas afinal, segundo uma nova teoria, parece não ser bem assim!!!

Quando fez a recolha definitiva dos Note7 que ainda estavam no mercado, a Samsung prometeu revelar a causa de todos os problemas que afectaram este equipamento. A opinião geral (e da própria Samsung) é que a construção destas baterias tinham um defeito e que com o tempo este acabaria espoletar os tais incêndios e explosões. Falta de espaço poderá ter sido o problemaSe esta era a razão aceite, há uma nova teoria que vem apontar o dedo não às baterias mas sim à própria estrutura do Note7 e ao pouco espaço que estava reservado para este componente, expondo-o a pressões anormais.A Instrumental tomou o assunto em mãos, avaliou o desenho do Note7 e calculou o espaço necessário para cada um dos diferente componentes que o compunham. A conclusão foi que para albergar todos os diferentes elementos houve uma redução no espaço dedicado à bateria, que deixou de ter a normal folga para a bateria crescer. As baterias expandem naturalmenteMas para além desta conclusão imediata, a Instrumental vai mais longe e diz que caso não fosse feita a recolha dos equipamentos estes acabariam por ter ainda mais problemas no futuro imediato. As baterias expandem, dilatam pelo efeito normal da sua utilização, faz parte do processo de recargas ao longo da vida do equipamento. Sem o tal espaço, acabariam por rebentar.O problema poderia ter sido resolvido com uma bateria mais pequena, mas isso acabaria por inviabilizar parte da tecnologia que a Samsung criou, tornando o Note7 num equipamento sem as mesmas capacidades que se viram inicialmente.Ainda não é uma certeza, mas esta nova informação vem lançar ainda mais luz sobre as causas dos problemas que afectaram o Note7 e que bastantes prejuízos trouxeram à Samsung, mesmo depois das tais baterias terem sido substituídas.Via: Instrumentalsourc: pplware.sapo.pt

Apple explicou porque as baterias do iPhone 6s têm problemas

5 de Dezembro de 2016 às 10:07
Apple

O problema das baterias do iPhone 6s é bem conhecido. O seu impacto não é grande, mas para o eliminar a Apple criou um programa de troca de baterias, resolvendo assim o problema de uma vez por todas.Mas mesmo com este programa a decorrer, a Apple revelou agora a causa para esta morte súbita das baterias. A causa é estranha e limita-se a apenas a ar a mais nas baterias.

O problema das baterias do iPhone 6s tem levado a que muitos utilizadores se queixem de problemas. Sem qualquer razão conhecida, até agora, estes equipamentos desligam-se sem que os utilizadores possam controlá-los.Mas a Apple acabou por explicar a causa deste problema, dando uma justificação que para muitos pode parecer estranha. Segundo a Apple revelou numa página de suporte, a causa deste problema é devido a uma exposição anormal de um componente da bateria ao ar.We found that a small number of iPhone 6s devices made in September and October 2015 contained a battery component that was exposed to controlled ambient air longer than it should have been before being assembled into battery packs. As a result, these batteries degrade faster than a normal battery and cause unexpected shutdowns to occur. It’s important to note, this is not a safety issue.Esta exposição anormal ao ar antes da montagem levou a que este componente acabasse por se degradar de forma mais rápida, levando a que as baterias se desliguem.Nessa mesma página de suporte a Apple revela que este não é um problema de segurança e que o iPhone tem mecanismos para se desligar caso detecte problemas nos seus componentes ou alterações no ambiente onde o equipamento está.O problema das baterias afecta as que foram fabricadas entre Setembro e Outubro de 2015. O processo de troca de baterias está já a decorrer, devendo os utilizadores contactar a Apple, quer numa loja oficial quer num representante da marca.Se pretende saber se o seu iPhone 6s está abrangido pelo programa de trocas da bateria, leia este artigoonde todo o processo é explicado em detalhe.via: Applesource: pplware.sapo.pt

Apple estará a usar drones para melhorar Apple Maps

2 de Dezembro de 2016 às 09:35
Apple AppleMaps


Sabemos que a utilização de drones está a tomar o lugar de vários outros sistemas. Há várias empresas que recorrem a este meio para fazer vídeo, georeferência e fotografia. O preço, qualidade e a facilidade de utilização, poderão agora estar ao serviço da Apple na modernização e actualização do seu serviço de mapas.Será este um trunfo para a Apple se aproximar da qualidade do Google Maps?
Drones para melhorar Apple MapsO serviço de Mapas da Apple melhorou drasticamente ao longo dos últimos dois anos, mas ainda está muito atrás do Google Maps na precisão e na oferta de recursos. A Apple aposta numa melhoria e tenta mesmo aproximar o seu serviço ao da sua rival, optando agora por empregar drones. Estes drones poderão ser mais eficientes que os carros e outros meios usados pela Google, informação veiculada hoje pela Bloomberg.Este tipo de iniciativa visa poder retirar facilmente informações geográficas do trânsito, colmatando limitações dos veículos tradicionalmente usados para estas recolhas. Com este sistema, a empresa de Cupertino poderá cartografar a paisagem e as vias de comunicação de um ponto de vista mais rico em pormenor.Os drones vasculham o ar e podem mesmo filmar na perspectiva do utilizador, quer de carro quer de qualquer outro meio de transporte, e ainda podem ser usados para rapidamente tirar capturas instantâneas de áreas que podem ser afetadas por obras, mudanças de sinalização rodoviária ou mesmo zonas danificadas por desastres naturais, etc. Este tipo de gadget permite, por exemplo, que uma via seja fotografada depois da passagem de um furacão para alertar os utilizadores do estado do terreno.Estes drones, segundo consta, não são criados ou fabricados pela Apple. A Bloomberg explicou que a Apple contratou um funcionário da Amazon para liderar este projecto a partir de Seattle. O funcionário já havia chefiado o departamento de Prime Air da Amazon, uma iniciativa na qual a Amazon espera entregar as encomendas via drones.A fonte da notícia explicou que Apple tem algumas dificuldades headwinds para enfrentar, particularmente com as regras impostas aos drones pela FAA. Estas regras podem dificultar determinadas actividades comerciais, como capturar imagens e vídeo para o mapeamento, perto dos edifícios e das populações. Esta é uma das batalhas que trava actualmente a Amazon para conseguir levar avante o seu serviço de entrega. Apple finalmente trabalha nos Mapas de InterioresA Apple parece finalmente dedicar a sua atenção aos mapas de interior. O exemplo que foi dado pela fonte da notícia foi um aeroporto, onde a Apple poderia fornecer aos consumidores mais informações dedicadas. O Google fez um trabalho muito sólido com os mapas indoor de shoppings, museus e outras grandes instalações, embora a tecnologia da Apple pudesse potencialmente tornar mais fácil ver exatamente onde se situa dentro de um edifício. A Apple, segundo o que está a ser veiculado, irá lançar este serviço em 2017. Os drones da Apple são uma preocupação para a privacidade?A Apple tem claramente de fazer algo inovador para que possa ter trunfos face ao Google Maps. A utilização de drones poderá ser esse trunfo face aos custos, conseguindo um implementação fácil e rápida para renovação de mapas (o calcanhar de Aquiles do serviço da Google). Claro que por mais atraente que possa ser esta ideia, é necessário auscultar as pessoas no sentido de perceber se os drones poderão andar para cima e para baixo nas estradas e avenidas com a câmara de gravação apontada a tudo.Embora possa ser óptimo trunfo tecnológico, no que toca a mapeamento, também vai ser uma preocupação em termos de privacidade.source: pplware.sapo.pt

Facebook Messenger já tem jogos… e dá para jogar em rede

30 de Novembro de 2016 às 09:41
Facebook Menssenger

O Facebook Messenger é uma das plataformas de messaging mais populares da actualidade. Com mais de mil milhões de utilizadores mensais, oFacebook Messenger permite agora que os utilizadores joguem com os seus contactos.Conheçam quais os jogos que estão disponíveis.
O Facebook Messenger lançou hoje a plataforma Instant Games, desenvolvida em HTML5, com jogos para Android e iPhone. Esta novidade chegou a mais de 30 países e estão já disponíveis os seguintes 17 jogos:Pac-ManGalagaArkanoidSpace InvadersTrack & FieldShuffle Cats MiniWords With FriendsHexEverwingEndless LakeTemplar 2048The Tribez Puzzle Rus2020 ConnectPuzzle BobbleZookeeperBrick PopWorldalot Express.Facebook Messenger Instant GamesComo requisito, é apenas necessário ter um dispositivo com iOS 8, ou superior, ou então Android 5.0, ou superior. Por enquanto, esta novidade ainda não está disponível para Portugal, mas deverá estar em breve.Via Facebook

Samsung prepara-se para se dividir em 2 empresas

29 de Novembro de 2016 às 09:41
Samsung


A Samsung é hoje em dia uma das maiores empresas tecnológicas que existem. A sua tentacularidade é de tal forma grande que consegue abranger as mais diversas áreas do mercado.Mas a empresa pode estar a acusar o peso da dimensão e, por isso, pode estar a preparar para breve uma divisão, separando-se e formando duas empresas, com propósitos distintos.

Ainda não existe qualquer certeza de que este processo irá realmente avançar, mas a Reuters está a avançar que a Samsung poderá estar a preparar-se para se dividir em duas empresas. Este não é um processo anormal nas empresas de elevada dimensão, como é o caso da Samsung, e já muitas outras o fizeram. A Google é o mais recente caso conhecido.Do que se sabe, este processo de divisão está a ser pedido por alguns dos accionistas da Samsung, que esperam assim conseguir trazer de volta à empresa alguma estabilidade e um maior controlo nas áreas chave de inovação.Mesmo sendo apenas uma ideia, a Samsung admitiu já a sua possibilidade e tem agendada para hoje uma reunião de accionistas para discutirem esta ideia e para tomarem uma decisão final. A ideia passa por criar uma primeira empresa dedicada às questões de operação e criação de novos equipamentos e uma segunda que seria apenas uma holding.Com esta divisão a Samsung conseguirá aligeirar a sua estrutura e dar à empresa de operações a capacidade de criar novos produtos e de inovar, tornado-a mais ágil e dedicada.Para autorizarem esta mudança estrutural da Samsung, os investidores da empresa querem receber um prémio especial no valor de 26 mil milhões de dólares.Esta medida vem numa altura em que o problema relacionado com o Note7 começa a ter impacto nas contas da empresa, o que terá um custo de 6 mil milhões de dólares, e também numa fase em que está em curso uma investigação que coloca a empresa no centro de um escândalo que envolve o presidente sul-coreano.source: pplware.sapo.pt

Black Friday: FNAC engana-se e envia link da Worten

25 de Novembro de 2016 às 10:34
FNAC Worten


Hoje é dia Black Friday mas ontem foi já um “dia negro” para a FNAC e a culpa foi da tecnologia. Depois de enviar um SMS para mais de 60 mil pessoas, com um “Convite Exclusivo” e o respectivo link, a cadeia francesa FNAC começou a receber várias reclamações/alertas nas redes sociais isto porque o link enviado redireccionava para o site da concorrente Worten e não para a página da FNAC.Saiba o que falhou!É caso para dizer que o “case sensitive” tramou a FNAC! Depois de ter enviado milhares de SMS, a FNAC começou a recebeu alguns alertas a informar que o link redireccionava para a página da concorrente Worten. A FNAC rapidamente se desculpou referindo que “O link enviado pela FNAC redirecionava para uma página da Internet inexistente, devido a uma maiúscula inserida por lapso no endereço web”.Mas afinal o que aconteceu?Na prática apenas falhou um “f/F”. No SMS enviado inicialmente, a FNAC tinha o link bit.ly/f-black-Friday, que redirecciona para o site da Worten. O link correcto é bit.ly/f-black-friday, que apenas difere no f de friday.A FNAC rapidamente se desculpou no Facebook deixando a seguinte mensagem: «F maiúsculo ou minúsculo? Neste Black Friday só vais querer saber do tamanho dos descontos da Fnac».source: pplware.sapo.pt

Atenção, os seus auscultadores podem ouvir as suas conversas

24 de Novembro de 2016 às 10:03
Auscultadores Segurança


A segurança vai muito mais além do que se espera. Todos conhecem os casos de CEOs, com Mark Zuckerberg, que tapam deliberadamente as câmaras dos seus computadores para evitarem qualquer problema.Mas estas técnicas estão a evoluir e uma nova foi descoberta. É agora possível alterar os auscultadores para capturarem o áudio de qualquer computador onde estejam ligados.

Não é novidade que os auscultadores podem ser convertidos para capturarem som. Há dezenas de vídeos na Internet que mostram este processo, que nem sempre é simples e obriga a que estes sejam ligados na porta de entrada de áudio.Mas investigadores de segurança de uma universidade israelita conseguiram, recentemente, tornar esse processo mais simples e criar uma forma mais perigosa para os utilizadores. Recorrendo apenas a software, conseguiram fazer esta conversão, sem que o utilizador tivesse noção disso.Depois deste passo, torna-se simples capturar o áudio, até um máximo de 6 metros, e que pode depois ser transmitido pela Internet, sendo completamente imperceptível.
 Como funciona o ataque com os auscultadoresPara o conseguirem, os investigadores exploraram uma falha de um chip de áudio da RealTek, presente na maioria das placas de som dos computadores usados hoje em dia, desde o Windows até aos Mac.O malware criado converte qualquer canal de saída de áudio numa de entrada, sem qualquer mudança perceptível para o utilizador. Não será simples proteger os utilizadores contra este ataque uma vez que o funcionamento do chip é o pretendido, dando a liberdade ao driver para o alternar. O que não era esperado é que o malware conseguisse agir ao nível do driver, mudando a própria placa.Para já, tudo se resume a uma prova de conceito e a RealTek está já alertada para o problema, mas a existência da falha mostra que esta pode ser explorada por qualquer um.Se muitos achavam que bastaria tapar a câmara e remover o microfone dos equipamentos, ficou assim provado que nada disto basta pois uns simples auscultadores podem ser convertidos e usados para espiar qualquer pessoa.source: pplware.sapo.pt

Máquinas multibanco vítimas de ataque em larga escala

23 de Novembro de 2016 às 09:55
Multibanco Ataques


Os ataques informáticos há muito que deixaram de se focar apenas nos computadores e nos dados dos utilizadores. Procuram agora obter lucro de forma mais rápida, directa e alvos mais simples de atacar.As máquinas multibanco começam a ser, por isso, olhadas com outras intenções e um ataque massivo e em larga escala parece estar a decorrer, levando a que estás, simplesmente, libertem dinheiro.

O ataque que a empresa de segurança russa Group IB descobriu afectou máquinas multibanco em toda a Europa e Ásia e foi realizado remotamente, tendo os atacantes apenas de ter alguém junto das mesmas para que o dinheiro pudesse ser recolhido.A grande diferença que este ataque teve, face a outros que aconteceram num passado recente, é que resulta de uma infecção com malware que pode ser controlada a partir de um único ponto central.Mais uma vez estes ataques são feitos de forma orquestrada e num único momento, para garantir que conseguem agir antes de serem detectados e as ordens canceladas pelos bancos. A forma como actuam permite que apenas necessitem de ter um parceiro junto de cada máquina multibanco, que no momento exacto irá receber o dinheiro que for libertado.Crê-se que este ataque esteja a ser dirigido por um grupo de hackers russos, de nome Cobalt, e que já no final do ano passado tinha conseguido uma proeza idêntica, também com maquinas multibanco.Os principais fabricantes destas máquinas estão já a par do problema e estão a trabalhar activamente com os bancos para conseguir mitigar estes ataques ou, pelo menos, conseguir prever quando vão acontecer, impedindo assim que as máquinas sejam controladas remotamente.Este não é um ataque novo, mas a forma como é realizado mostra que os atacantes estão a conseguir penetrar nas defesas dos bancos e a infectar máquinas que deveriam estar protegidas e isoladas. Estes ataques vão-se repetir e provavelmente aumentar de escala, tentando obter o máximo de dinheiro num futuro próximo.source: pplware.sapo.pt

NASA e ESA querem ir ao Espaço desviar um asteróide

22 de Novembro de 2016 às 09:48
NASA ESA


E se um dia for descoberto um asteróide em rota de colisão com a Terra? Haverá forma de conseguirmos desviar o corpo celeste para longe do nosso planeta?Não há, para já, um mecanismo de defesa. Há, contudo, observatórios que passam a pente fino o cosmos para tentar determinar com antecedência alguma ameaça que esteja na rota da Terra. Agora, as autoridades norte-americanas estão a realizar treinos para o caso da colisão de um asteróide com a Terra ser um facto.
E se um asteróide ameaçasse a humanidade?Estes exercícios, que estão já em acção, foram organizados pela NASA e pela Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA), com participação de laboratórios nacionais, centros públicos de ciência e tecnologia pertencentes ao Departamento da Energia dos EUA e do Pentágono, representado pela Força Aérea.Os exercícios visaram analisar a prontidão das várias estruturas para actuar em conjunto durante uma emergência. Além disso, foram treinadas acções para prevenir o pânico entre a população e proteger as pessoas das consequências da catástrofe.Segundo o cenário, um asteróide de 100×250 metros cairia na Terra no dia 20 de Setembro de 2020. O local da queda seria o sul da Califórnia.O chefe da Direção de Ciência da NASA Tomas Zurbuchen afirmou que existe uma ameaça real de catástrofe. Contudo, neste momento a humanidade já pode preparar-se e suavizar as suas consequências. Anteriormente, a NASA informou que tinha criado um sistema de alerta precoce para um eventual “ataque de asteróides” que pode detectar qualquer asteróide 5 dias antes de ele se aproximar da Terra.Via: Agência Sputnik

Já pode instalar o Windows Defender Hub no seu Windows 10

21 de Novembro de 2016 às 10:05
Microsoft Windows

A Microsoft lançou recentemente uma nova aplicação na sua loja de aplicações, o Windows Defender Hub. Esta app tem como principal objectivo proteger o Windows 10, com recurso ao Defender, contra malware, vírus e até nagware (uma variante do shareware onde o software está constantemente a lembrar o utilizador para registar app).Se pretende ter esta app no seu Windows 10 saiba o que tem de fazer.
Sem muita informação por parte da Microsoft, o novo  Windows Defender Hub passou a ser disponibilizado na loja de aplicações do Windows 10.Como referido, esta nova app será responsável pela segurança do Windows 10, aos mais diversos níveis. Na descrição da app a Microsoft relembra que esta ferramenta não é paga, não necessita de subscrições e não tem nagware.Help protect your device with the antimalware protection built in to Windows 10. It’s already on your device! There’s nothing to buy, no subscriptions, and no nagware. Windows Defender Hub gives you access to Windows Defender, so you can easily check your protection status or scan your device. Windows Defender Hub also brings you articles from Microsoft about malware and viruses and the latest security trends, even if you use another antivirus program.Para instalar o Windows Defender Hub basta que aceda aqui ou então pesquise na loja de aplicações por Windows Defender Hub. Além dos mecanismos de segurança, esta ferramenta disponibiliza também informações interessantes para os utilizadores.source: pplware.sapo.pt