219 347 706 Email Facebook
Windows

Microsoft prepara-se para dar uma nova cara ao Windows 10 na próxima grande atualização

16 de Novembro de 2018 às 09:16

Férias – 5 Ferramentas para levar o trabalho consigo

8 de Julho de 2016 às 09:29
Tecnologia


Sim, férias são férias e trabalho é trabalho, ok ok mas sabemos que não é assim, pelo menos para muita boa gente. Quantos são os que vão de férias e conseguem mesmo desligar-se do trabalho?Tirando uma meia dúzia que levantou o braço, há milhares que não se conseguem separar do trabalho. Assim, para todos, vamos deixar um leque de fantásticas ferramentas que podem ter no vosso tablet ou smartphone e dispensar o seu computador… pelo menos nestas férias.
Sorte os que conseguem desligar completamente do trabalho… mas para os que de facto levam o trabalho de férias, deixamos hoje 5 ferramentas para evitar que tenha de levar (pelo menos) o computador. Nada como ter a mobilidade de um tablet ou mesmo a simplicidade de um smartphone para fazer o trabalho, como se estivesse sentado na sua secretária.O pacote de sugestões que hoje deixamos englobam um office para o seu dispositivo móvel, super completo. Trazemos também um dos melhores editores de imagem para o segmento mobile, uma ferramenta de notas rápidas para não perder nenhuma da sua memória, um serviço de acesso remoto para ajudar alguém de qualquer parte do mundo e ainda um serviço de comunicações para estar sentado à beira mar e poder conferenciar com toda a comodidade. WPS Office: FREE Mobile Office + PDF Esta suite de ferramentas de produtividade permite que tenha em qualquer lugar o controlo de todos os documentos como se estivesse no seu computador. Pode editar texto, folhas de cálculo, pode gerir os seus PDFs, corrector ortográfico, apresentações ao nível das melhores e tudo compatível com a suite mais popular do mercado, o Office da Microsoft.WPS Office: FREE Mobile Office + PDF é uma colecção de aplicações que deve ter sempre nos eu dispositivo móvel, isso irá garantir que nunca ficará apeado. Esta suite suporta ficheiros da cloud e traz suporte para tecnologias dos mais recentes sistemas operativos móveis.Pode instalar gratuitamente e totalmente funcional no seu dispositivo com iOS e Android. Adobe Photoshop Express anteriorpróxima Como vamos de férias as fotografias são um “must do”. Hoje qualquer um de nós tem a possibilidade de fazer boas fotografias, com os smartphones, pode editar, reparar a imagem que tenha algum defeito, dar um toque mais artístico e publicar nas redes sociais ou guardar para partilhar com a família.Esta ferramenta da Adobe é fantástica porque, de forma gratuita, permite que qualquer pessoa possa editar uma fotografia, corrigir defeitos, equilibrar a luminosidade, acrescentar efeitos e filtros artísticos, molduras e outros pormenores de embelezamento e depois pode partilhar nas redes sociais, enviar por mail ou simplesmente guarda para mais tarde recordar. Tudo com a simplicidade de um toque.Google Keep O Keep é um serviço que permite aos utilizadores tomarem pequenas notas, na forma de texto, listas ou imagens. Este serviço gravita muito e torno da Web e dos dispositivos móveis, onde podemos aceder às nossas notas e criar novas.O keep é um óptima ferramenta para termos nos tablets ou no smartphone. Esta aplicação permite com muita simplicidade criar notas com fotografias, criar textos editáveis, criar listas, adicionar ficheiros de áudio, organizar notas por etiquetas e cores.TeamViewer Este é um software que permite o acesso remoto  máquinas.Se está com algum problema no seu computador ou se quer exemplificar algo e mostrar no ecrã da máquina o que se passa, então esta ferramenta é a indicada. Preste suporte, assista, interaja e colabore com as pessoas. Com uma única ferramenta todos estas tarefas são possíveis. Trabalhe como se estivesse na mesma sala sem perda de tempo com viagem e sem despesas.Use de forma gratuita em qualquer sistema operativo e mesmo nos dispositivos móveis. Dropbox
É verdade que muitas pessoas conhecem e até têm conta neste serviço cloud. Mas quem de facto o tem instalado no smartphone? Serão alguns, mas poucos, versus os que têm no computador o cliente instalado. A ideia aqui é facilitar o acesso, envio, a partilha e até a recepção de documentos/conteúdos.A mais recente versão do Dropbox traz novas ferramentas de produtividade, entre elas a digitalização de documentos. Com a crescente necessidade de centralizar informação, a gestão documental é importantíssima. Além de nos ajudar nas questões burocráticas, permite o rápido acesso a documentos que já não têm de estar em papel arquivados no seu local de trabalho.Mas há muito mais, há a facilidade de trabalhar em colaboração com alguém no mesmo documento, com troca de mensagens dentro do próprio projecto, há a imediata partilha para o seu email ou redes sociais, há mesmo a forma simples de fazer upload de conteúdos do seu smartphone para a cloud via a app no seu dispositivo.source: pplware.sapo.pt

Facebook – Malware fez 10 mil vítimas em apenas dois dias

5 de Julho de 2016 às 09:48
Facebook


Em apenas 48 horas um recente malware já infectou milhares de contas do Facebook. Este malware tenta assumir o controlo da conta do utilizador e tem uma actuação idêntica à de um esquema de phishing, mas neste caso, através de uma notificação do Facebook.O Brasil lidera o número de utilizadores que clicaram na notificação e desencadearam ataques às suas contas. Portugal é um dos países onde o malware fez também muitas vítimas.
Um especialista em segurança descobriu um ataque de malware que enganou cerca de 10.000 utilizadores do Facebook em todo o mundo para infectar os seus computadores, depois de receber uma mensagem de um pretenso amigo alegando terem sido mencionados no Facebook.Os PCs comprometidos foram usados para sequestrar as contas do Facebook, a fim de espalhar a infecção através dos próprios amigos da rede social da vítima e para permitir outras actividades maliciosas. Foram atingidos por este malware vários países da América do Sul, com principal incidência no Brasil (37% de todos os casos), vários na Europa, onde se inclui a Alemanha e Portugal (como um dos mais infectados) e outros países como a Tunísia e Israel.O ataque foi registado com mais frequência entre os dias 24 e 27 de Junho e milhares de utilizadores foram apanhados desprevenidos, ao receberem uma mensagem de um amigo no Facebook dizendo que os tinham mencionado num comentário, dando depois início a um ataque com duas fases. Como funciona o ataque?O ardil foi muito bem montado e baseou-se na curiosidade e vaidade dos utilizadores do Facebook. Numa primeira etapa, as pessoas que foram infectadas fizeram o download de um Trojan para o seu computador, através de um ficheiro Javascript.Até aqui o utilizador não tinha a noção que está a entrar numa armadilha.Passada a primeira fase de instalação do trojan, este começa por controlar a conta do Facebook do utilizador. Logo de imediato, o utilizador vê a sessão activa do Facebook ser encerrada. Este malware tem a capacidade de alterar as configurações de privacidade, extrair dados e muito mais, permitindo-lhe espalhar a infecção para outros amigos do Facebook da vítima ou desenvolver outras actividades maliciosas, como spam, roubo de identidade e gerando “gostos” fraudulentos, entre outras acções.Um comportamento que também foi detectado foi uma tentativa de protecção do malware quando este tentou proteger-se ao criar uma lista  de sites que ficaram bloqueados, como sites que pertenciam a empresas de segurança e outros sites de detecção de malware. Quais são os sistemas operativos mais frágeis?As pessoas que usam sistemas operativos Windows, incluíndo Windows Phone e Windows 10 Mobile, para ter acesso ao Facebook são os que correm um risco maior, segundo a empresa de segurança. Os que estarão mais protegidos são os utilizadores que visitam o Facebook com dispositivos móveis equipados com Android e iOS. Estes estarão imunes, pois o malware recorre a bibliotecas que não são compatíveis com estes sistemas operativos móveis.O Trojan que é descarregado utilizado pelos atacantes não é novo. Este foi detectado e reportado há cerca de um ano atrás, quando executava processos de infecção idênticos a este. Em ambos os casos, os rastos deixados pelo malware, em termos de idioma, apontam para que os “criadores” utilizem o turco.O Facebook está agora a mitigar esta ameaça e procedeu já ao bloqueio desta técnica, que tenta disseminar o malware a partir de computadores infectados. Os investigadores do Facebook reportaram que, a partir do momento que fizeram estas acções, deixaram de ver mais tentativas de infecções. A Google também removeu pelo menos uma extensão da sua Chrome Web Store usada para neste esquema. Como podemos saber se estamos infectados?Verifique o seu Google ChromeAbra o browser, no canto superior direito clique sobre o ícone (que parece uma sanduíche) e vá aDefiniçõesAgora, navegue ao menu Extensões. Procure um ficheiro com o nome “thnudoaitawxjvuGB” (sem aspas).Se vir esta extensão, apague-aFaça também o seguinte:No Windows vá a Iniciar > Caixa pesquisa e copie este comando %AppData%\MozillaProcure por pastas e ficheiros como “autoit.exe” e “ekl.au3”Se encontrar ficheiros destes, então o seu computador está, muito provavelmente, infectado. E como posso remover este malware?Se não o conseguir de forma manual peça ajuda a ferramentas que tratam disso, entre elas o Malwarebytes. Contudo há várias outras ferramentas que podem ajudar neste processo.source: pplware.sapo.pt

Usar smartphone no escuro poderá provocar cegueira temporária

4 de Julho de 2016 às 09:35
Smartphone


Já por diversas vezes alertámos aqui para os perigos da utilização excessiva dos smartphones, nomeadamente, da sua utilização no escuro, no período mesmo antes de dormir.Mas estes perigos reais vêem-se agora agravados com casos semelhantes a cegueira temporária que ocorreram durante vários meses de utilização do smartphone no escuro antes de dormir.
Devem ser raras as pessoas que nunca utilizaram o smartphone ou o tablet na cama antes de dormir. Verificar as redes sociais, ver um vídeo ou YouTube ou terminar uma conversa com um amigo são hábitos bastante comuns e transversais a várias idades.Mas este hábito está claramente a fazer mal à nossa saúde.Há pouco mais de um ano surgiu um estudo que revelava o quão prejudicial era a luz azul emitida pelos ecrãs LED para o nosso cérebro, principalmente, antes de dormir, uma vez que esta luz interfere com a produção de melatonina – hormona responsável pela regulação do sono e vigília – no nosso cérebro.Artigo relacionado: Pare de utilizar o smartphone antes de dormir!Agora, um novo estudo indica que a utilização do smartphone no escuro poderá estar a provocar algo semelhante a cegueira temporária.Em causa estão os casos de duas mulheres, de 22 e 40 anos, que depois de situações repetidas de perda de visão num dos olhos, recorreram a especialistas.No caso da mulher de 22 anos, os problemas de visão surgiram no olho direito à noite, quando já estava deitada. Segundo a paciente, durante um ano, por diversas vezes, não conseguia ver do olho direito mais do que os contornos de objectos no escuro. O olho esquerdo não apresentava qualquer problema e de manhã já via bem de ambos os olhos.A mulher de 40 anos relatou que de manhã ao acordar não conseguia ver nada de um olho durante cerca de 15 minutos, um problema que se repetiu durante 6 meses.Sem sintomas aparentes de perda de visão associada à cegueira temporária, os médicos, ao investigar as possíveis causas, perceberam que havia algo comum entre ambos os casos.Os problemas de visão surgiram na sequência da utilização dos seus smartphones no escuro durante vários minutos, enquanto já estavam deitadas na cama, de lado. Neste caso, apenas um dos olhos estava a olhar para o ecrã do smartphone sendo que o outro estava tapado pela almofada.Leia ainda: Como são afectados o cérebro e corpo pela luz do smartphone?Em ambos os casos, não se pode falar de uma verdadeira cegueira. Trata-se sim, de um efeito semelhante àquele que ocorre quando se entra numa zona escura depois de ter estado numa zona com grande luminosidade. "Ficamos com um olho adaptado à luz porque estamos a olhar para o telefone e o outro adaptado ao escuro. Quando o aparelho é desligado e tudo fica escuro, o olho adaptado à claridade parece estar “cego”, até que consiga adaptar-se à ausência de luz"Tal como explicam os autores do estudo.Nos casos das pessoas que utilizam o smartphone no escuro, mas que olham para ele com os dois olhos, este problema parece não surgir.Alguma vez teve perda de visão depois de utilizar o smartphone no escuro?source: pplware.sapo.pt

Vodafone: qual o futuro da sua sede no Reino Unido pós Brexit?

1 de Julho de 2016 às 09:42
Vodafone


O termo “brexit”, que temos ouvido de forma insistente desde há uns meses para cá em relação à zona Euro, é uma fusão de duas palavras inglesas, neste caso, “britain”, diminutivo para o Reino Unido, e “exit”, que significa saída. De facto, foi na saída do Reino Unido da União Europeia que os ingleses votaram e com isso todo o mercado está a reagir.Agora a saída poderá ser da Vodafone. Qual será o futuro desta e de outras empresas no Reino Unido?
A Europa está a atravessar uma fase sem precedentes depois do referendo que levou os ingleses a decidir o futuro do país em relação à União Europeia. Agora vive-se um período de profunda incerteza que tem vindo a levantar questões sobre a permanência de várias grandes empresas no país.A Vodafone, fundada em 1983 no Reino Unido, mantém a sua sede em Newbury, mas neste momento está a avaliar todos os factores e a ponderar a alteração da localização da sua sede para outro país.Em comunicado, a empresa defendeu o acesso “ao movimento livre de pessoas, capital e mercadorias” porque foram estes factores ajudaram a impulsionar o crescimento da empresa. A somar ao crescimento programado, está o factor financeiro, já que a maior parte das suas receitas são geradas além-fronteiras.Segundo a declaração enviada à imprensa, a Vodafone diz que vai “continuar a avaliar a situação e que tomará as decisões que forem apropriadas que respondam aos interesses de clientes, accionistas e colaboradores”. 13 mil trabalhadores no Reino UnidoObviamente que a empresa não pode esquecer os 13 mil trabalhadores e os milhares de clientes que tem no país, e essa é uma questão que também está na balança da decisão final da empresa.Contudo, o Reino Unido representa apenas uma pequena parte de todo o mercado do grupo Vodafone. Reino Unido vs o resto da EuropaFora das terras de sua majestade a empresa tem a grande maioria dos seus 462 milhões de clientes, 108 mil empregados e 15 mil fornecedores. A balança de proveitos aponta para a operação europeia total a representar cerca de 55% dos lucros, enquanto a operação do Reino Unido só conta 11% para o bolo total.Segundo a Vodafone, ainda não é possível prever a permanência da sede no país, as vantagens ainda são muitas e não se sabe elas se vão manter depois das negociações entre o país e a União Europeia.Como nota final, a Vodafone garante que quer fortalecer a posição da empresa junto às entidades políticas e reguladoras em Bruxelas para garantir que as empresas da UE estão a ser bem representadas neste debate.source: pplware.sapo.pt

Este Verão proteja o seu smartphone

1 de Julho de 2016 às 09:42
Smartphone


Os passeios na praia, os fins de tarde na esplanada, os piqueniques com a família são apenas alguns dos exemplos que fazem desta a época mais descontraída do ano.Mas se a família e os amigos fazem parte destes programas, o smartphone não fica em casa e, de tão relaxado que se está, acabam por ser descorados alguns cuidados básicos para o manter protegido.
1. Cuidado com o calorNão somos só nós que devemos ter cuidado com o sol e com o calor em excesso. Os smartphones também não se dão muito bem com o calor excessivo, podem sobreaquecer e poderão ficar com danos irreparáveis.Assim, não o deixe à exposição de luz solar directa, ou mesmo dentro de uma mochila ao sol. Evite até de o utilizar durante muito tempo em condições de muito calor para evitar as questões de sobreaquecimento já referidas.
 2. Proteja-o devidamente da areia ou de poeirasA areia é inimiga dos smartphones em vários aspectos. Além dos riscos na capa e no ecrã, os pequenos grão de areia podem acumular-se no altifalante, porta USB ou até no jack de áudio podendo danificá-los.Se levar o smartphone para a praia utilize-o com cuidado e, se possível, opte por mantê-lo sempre de uma capa protectora.
 3. Afaste-o da águaO Verão é propício para banhos e para fotos dentro de água, mas o mais certo é que o seu smartphone não seja à prova de água. Por isso mantenha-o afastado ou equipe-o com uma capa estanque.Se nunca utilizou nenhuma capa que proteja o smartphone da água, o ideal é que a teste primeiro antes de colocar o smartphone dentro. Coloque dentro da capa um papel, fecha-a e coloque-a numa taça com água durante algumas horas. Se não ver qualquer gota de água dentro da capa e o papel estiver completamente seco, atreva-se a tirar umas boas fotos dentro de água. Este teste deverá ser repetido 2 ou 3 vezes para que não restem quaisquer dúvidas.
 4. Atenção aos locais onde vai fotografarDeverá ter cuidado especial no momento de fotografar para que, se por acidente o smartphone cair, os danos não sejam muito graves. Já pensou que ao querer fotografar o pôr do sol na praia deixa cair o smartphone nas rochas sem querer? O mais certo é que o resultado seja um ecrã partido…Pior ainda, se está a fotografar de uma grande altura e ele lhe escorrega das mãos… aí o futuro do seu smartphone poderá ser ainda pior que um ecrã partido.Vidro do iPhone partido? Encontre aqui a solução. 5. Active o serviço de localizaçãoA descontracção que a época pede poderá fazê-lo esquecer-se do smartphone em qualquer lado. Por esse motivo, e para que saiba onde o deixou (ou para onde o levaram) poderá ter instalado algum serviço de localização.Poderá encontrar aqui 4 bons exemplos de aplicações dedicadas ao Android.Que outras dicas tem para o smartphone sobreviva intacto ao Verão?

Atenção! Já só tem um mês para actualizar para o Windows 10

29 de Junho de 2016 às 09:40
Microsoft Windows


Apresentado ao mundo, de forma oficial, no dia 29 de Julho de 2015, o Windows 10 quer ser a plataforma que vai unificar os diferentes sistemas operativos da Microsoft.A Microsoft resolveu dar a todos os utilizadores do Windows 7 e 8.1 a possibilidade de fazerem a actualização para o novo Windows de forma gratuita. Durante um ano esteve disponível e agora, a um mês do fim, é hora de todos actualizarem para o Windows 10!

A chegada do Windows 10 foi um marco muito importante para a Microsoft. É o início de um processo que levará à criação de um sistema unificado e que correrá em todas as plataformas onde a empresa tem presença.O facto da Microsoft ter lançado o Windows 10 como uma actualização gratuita, ajudou ao seu crescimento. Mas essa oferta está a terminar já dentro de um mês e é hora de decidirem se querem ou não ter acesso a esta nova versão, de forma completamente gratuita. A adopção do Windows 10A adopção do Windows 10 foi rápida no início, pois muitos utilizadores quiseram instalar de imediato esta nova versão. Com os números sempre a aumentar, a curva de crescimento acabaria por perder a força e estabilizar.Se o objectivo da Microsoft é ter o novo Windows em mil milhões dispositivos até 2018, tem de aumentar o ritmo de adopção e convencer os utilizadores que este é o sistema operativo que devem usar.Vários marcos foram conseguidos, em poucos dias conseguiu derrotar alguns concorrentes, mas ao longo do ano esse valor abrandou e o crescimento diminuiu. Contas feitas no mês passado tinha já 15% de quota de mercado e recentemente conseguiu ultrapassar o sistema operativo mais usado, o Windows 7. A actualização (forçada) para o Windows 10Se muitos utilizadores aceitaram de bom grado a oferta do Windows 10 e a actualização, muitos houve que cedo tomaram a decisão de não instalar esta nova versão, mantendo-se nas anteriores, com provas dadas.A Microsoft optou por tomar uma atitude mais agressiva, propondo aos utilizadores a actualização. Depois de ver que mesmo assim não conseguia a adopção que queria, mudou a táctica e foram vários os casos de utilizadores que viram as suas máquinas actualizadas sem o seu consentimento. Estas medidas caíram mal aos utilizadores que não queriam mudar.Tudo mudou agora, mas apenas depois da Microsoft ter sido obrigada a pagar 10 mil dólares, por ter feito esta actualização num utilizador que não a pediu. Os problemas de privacidadeCedo se descobriu que a Microsoft estava a recolher dados e telemetria do Windows 10. Esta era uma situação nova mas não teve uma boa reacção do lado dos utilizadores.Confrontada várias vezes com esta situação, a Microsoft começou por negar que “espiava” os utilizadores, acabando mais tarde por explicar de forma clara como e quando recolhia estes dados.Curiosamente este é actualmente um problema que foi ultrapassado e, apesar de ainda estar presente, os utilizadores aprenderam bem a viver com esta situação. O fim da oferta do Windows 10O período de oferta do Windows 10 está a acabar. Será no dia 29 de Julho que a Microsoft começará a cobrar 119 dólares por cada nova instalação deste sistema operativo. Está assim na hora de quem não actualizou… actualizar, se for essa a vontade!O Windows 10 está actualmente mais maduro e com menos problemas. Estes problemas afectaram inicialmente algumas máquinas. A actualização é simples e a Microsoft criou um processo que não envolve qualquer intervenção do utilizador.Lembrem-se também que mesmo que tenham problemas ou que não se adaptem ao Windows 10, podem reverter para a versão anterior, mas com a garantia de que a vossa licença está pronta para ser usada mais tarde.Avaliem novamente o que vos levava a rejeitar o Windows 10 e ponderem a migração para este novo sistema, aproveitando a oferta da Microsoft. Em breve chegará a Actualização de Aniversário, provavelmente já no início de Julho e mais novidades irão chegar ao Windows 10, fazendo dele um sistema bastante completo.O relógio começou a aproximar-se da hora final e é por isso o momento de decidirem de forma definitiva se querem ou não o Windows 10. A escolha é vossa!source: pplware.sapo.pt

Microsoft: Forçar actualização do Windows 10 custa $10.000

28 de Junho de 2016 às 09:33
Microsoft


Desde que foi lançado o Windows 10, a Microsoft sempre forçou que os utilizadores do Windows procedessem à actualização. As estratégias usadas pela empresa nem sempre foram bem vistas por parte dos utilizadores e houve até quem acusasse a Microsoft de usar “truques sujos”.Mas a “brincadeira” das actualizações fez com agora a Microsoft seja obrigada a pagar $10,000. Saiba porque!
Depois de ver o seu computador actualizado para o Windows 10 sem ter feito nada, a americana Teri Goldstein decidiu levar o caso para tribunal e…ganhou!Segundo a lesada, o PC foi actualizado automaticamente para o Windows 10 e a partir desse momento começou a apresentar um mau desempenho e a encravar.Teri revelou ainda que levou o PC a um técnico mas este não conseguiu resolver nada."I had never heard of Windows 10,” “Nobody ever asked me if I wanted to update."De acordo com o The Seattle Times, a Microsoft terá agora de pagar US$ 10 mil por “compensação de danos”. Do lado da Microsoft a empresa nega problemas técnicos e revelou que desistiu de recorrer do caso apenas para evitar mais gastos com o litígio.A actualizaçao gratuita pra o Windows 10 termina já no próximo dia 29 de Julho. Depois disso os utilizadores terão de pagar pelo sistema. A actualização para o Windows 10 vai custar 119 dólares já a partir de dia 29 de Julho.source: pplware.sapo.pt

Síndrome da visão do computador afecta milhões de pessoas

27 de Junho de 2016 às 09:32
Notícias


Síndrome da Visão do Computador é um problema que afecta cada vez mais pessoas, e o sinal que o poderá estar a afectar a si é aquele ardor nos olhos e visão turva.Este é um problema que se desenvolve em pessoas que passam muito tempo em frente ao computador, sendo já considerada uma doença provocada pelas novas tecnologias e que poderá afectar 25% de quem está mais de três horas diárias em frente a um ecrã.
Recentemente um estudo publicado no Ophtalmology Journal, dava a conhecer que o problema da miopia irá afectar metade da população mundial, que se estima que ronde os 4,8 mil milhões de pessoas em 2050. Este problema tende a agravar-se com a utilização da tecnologia, nomeadamente com a visualização de conteúdos, em exagero, através de ecrãs.Síndrome da visão do computadorCada vez mais os nossos olhos são expostos a longas jornadas em frente ao ecrãs. Os computadores, smartphones e tablets mudaram a forma como trabalhamos e como interagimos na sociedade, mas o custo no campo da saúde paga-se pelas doenças que derivam da utilização excessiva.É já normal, durante um dia de trabalho ou mesmo de aulas, uma pessoa sentir cansaço ocular, a visão desfocada ou até mesmo dores de cabeça. São sintomas comuns de quem está várias horas com os olhos fixos no ecrã. São estes os sintomas de uma doença oftalmológica ainda pouco falada: Síndrome da visão do computador. Como se desenvolve este quadro clínico?A síndrome afecta pessoas que passam três ou mais horas por dia em frente ao computador e a outros dispositivos “da moda”, como são os smartphones e tablets. Esta utilização está cada vez mais enraizada na sociedade e isso faz aumentar consideravelmente o potencial de pessoas que poderão ser afectadas.No mundo, cerca de 70 milhões de pessoas que trabalham com computadores estão suscetíveis a desenvolver a síndrome, e é provável que esse número aumente ainda mais. Se pensarmos que hoje as crianças e adolescentes vivem com grande apetência para os dispositivos móveis, facilmente se percebe por que poderemos estar a falar de números bem mais alargados.Um relatório sobre a síndrome publicado no jornal científico Medical Practice and Reviews, por especialistas em saúde ocular, lista o perfil de profissionais em risco de desenvolver a síndrome:académicosjornalistasbancárioscontroladores aéreosarquitectosengenheirosartistas gráficosestudantes.O relatório ressalva que “nenhum desses profissionais pode trabalhar sem o auxílio do computador”. Isso sem contar as milhões de crianças que passam horas a jogar no computador, nas consolas e nos dispositivos móveis. Quais são os sintomas?A síndrome constitui-se pelos seguintes sintomas:Olhos irritados ou vermelhos;Comichão e coceira nos olhos;Olhos secos ou lacrimejados;Cansaço ocular;Sensibilidade à luz;Dificuldade em focar algo;Visualização de cores alteradas;Visualização de halos em redor de objectos;Visão turva ou dupla. Como prevenir?Todos os que estão a ler este artigo já passaram horas seguidas em frente ao ecrã e, alguns, ou já tiveram ou estão a desenvolver estes sintomas referidos. Assim, e para promover a nossa saúde, em especial o bem estar da nossa visão, existe uma técnica que pode ser utilizada por todos para prevenir esta síndrome.É conhecida como Regra 20-20-20 e é bem simples: a cada 20 minutos, parar 20 segundos e olhar para alguma coisa a 20 pés (cerca de seis metros). Sugestões para prevenir problemas oculares frente ao computador:Posicionar o ecrã a uma distância entre 50 a 60 cm dos olhos, sendo que a parte superior fica à altura ou abaixo dos olhos, nunca acima da linha ocular;Posicionar bem os suportes para papéis junto ao ecrã, quando estiver a escrever;Ilumine bem a sala onde o computador se encontra, a luz incandescente é melhor opção que a fluorescente;Minimize os reflexos do ecrã, alterando a posição do computador, das luzes, usando cortinas e ainda meios anti-reflexo se assim for necessário;Piscar os olhos com alguma frequência;Manter o ecrã do monitor sempre limpo;Por cada hora de trabalho, descanse 5 minutos, olhando para algo distante;Use óculos que sejam os correctos;Sempre que necessário, consulte em oftalmologista;F.lux, ProtectYourVision e RedshiftGUI são softwares que lhe permitem poupar o esforço dos olhos enquanto trabalha.  CuriosidadeUm dos factores que nos diz que os nossos olhos estão a ficar irritados, é o número de vezes que “piscamos”. O facto de olharmos continuamente para os ecrãs levam a que haja uma maior probabilidade de eles secarem e ficarem irritados. Se normalmente uma pessoa pisca 17 vezes ou mais num minuto, quando está em frente a um ecrã de computador, por exemplo, a média cai e a pessoa pisca entre 12 e 15 vezes por minuto.source: pplware.sapo.pt

Mark Zuckerberg tapa a webcam do portátil com fita adesiva

23 de Junho de 2016 às 09:32
Facebook


Quem vai a eventos relacionados com tecnologia e não só, certamente já se apercebeu que algumas empresas oferecem um estilo de adesivo que muitas pessoas nem sabem muito bem para o que serve.Pois, ao que parece, essa fita deve ser usada para tapar a webcam do seu portátil e assim prevenir-se de “olhares alheios” (através de vídeo). Quem também tapa a sua webcam é Mark Zuckerberg!
Com a chegada aos 500 milhões de utilizadores no Instagram, Mark Zuckerberg aproveitou para publicar algumas fotos originais na rede social.Só que alguns utilizadores mais observadores reparam que Zuckerberg tapa a webcam e o microfone do seu portátil com fita adesiva. Ora reparem na seguinte imagem.Apesar do material usado ser um pouco “caseiro” e pouco “high-tech”, a verdade é que tem tudo para funcionar bem. Zuckerberg não é o primeiro nem será certamente o último a usar este tipo de medidas contra eventuais “espiões”.Segundo algumas informações partilhadas por profissionais na área da segurança, quando se tem um dispositivo ligado à Internet com Webcam, é importante estar muito atento ao que se instala e executa.Será que esta questão de tapar as webcam é apenas paranoia ou devemos estar mesmo preocupados?source: pplware.sapo.pt

Microsoft: A bateria do portátil dura pouco? A culpa é do Chrome

21 de Junho de 2016 às 09:43
Microsoft Chrome


Actualmente o Chrome é considerado, na generalidade dos sistemas operativos, o browser mais popular do mundo. O IE da Microsoft perdeu o primeiro lugar do ranking e os números do Edge revelam que os utilizadores não estão muito virados para este novo browser.Mas, para mostrar que de facto o Edge é melhor que o Chrome em alguns aspectos, a Microsoft realizou um conjunto de testes onde é possível ver que o Chrome consome muita bateria.
A Microsoft realizou recentemente um conjunto de testes para mostrar até que ponto um browser influencia na autonomia da bateria de um PC.Após realizados os testes, os resultados são mais que evidentes e revelam que o Chrome consome muita energia. Segundo os dados, o browser Edge da Microsoft consome 70% menos bateria que o Chrome. Tal como se pode ver pela imagem seguinte, um PC a fazer streaming de vídeo usando o Chrome apenas aguentou 4h19m:50s. Já com o Edge a autonomia foi de 7h22m07s.Veja o teste em vídeoA Microsoft partilhou também, via twitter, um gráfico onde facilmente se pode ver a autonomia de acordo com o browser usado. Como podemos ver pela imagem, o Microsoft Edge ganha a todos os seus concorrentes directos. No caso do Chrome percebe-se que este não tem a melhor optimização aquando da utilização da GPU.Com o Anniversary Update, a Microsoft prepara-se para introduzir ainda mais melhorias no seu browser e tentar torná-lo o mais eficiente. Obviamente que não será fácil bater o Chrome em termos de popularidade mas sempre dará para conquistar mais alguns utilizadores.source: pplware.sapo.pt