219 347 706 Email Facebook
Android

Android P: Google lançou a última versão de testes do seu próximo sistema operativo

26 de Julho de 2018 às 09:45

Android P: Google lançou a última versão de testes do seu próximo sistema operativo

26 de Julho de 2018 às 09:45
Android

Desde que na última I/O a Google apresentou a próxima versão do Android que esta está a ser testada pelos utilizadores, para que sejam detetados e corrigidos os problemas existentes.Depois de várias versões de testes, chegou agora aquela que se sabe ser a última, abrindo caminho para dentro em breve surgir a versão final do Android P e que será disponibilizada para as várias marcas que usam este sistema operativo.
Ao contrário do que aconteceu nas anteriores, esta versão do Android P da Google não mostrou as melhorias que trouxe e nem os problemas que ela corrige das versões anteriores. Mesmo assim, sabe-se que existem melhorias substanciais e que se podem comprovar.A versão Beta 4, ou developer preview 5, vem trazer melhorias na estabilidade do Android P, espera-se, ultimar todas as novidades apresentadas na I/O deste ano, quer sejam visíveis, e de utilidade para o utilizador ou simplesmente internas ao Android.Devemos por isso ter o novo sistema de controlo por gestos terminado e pronto a ser usado em toda as suas potencialidades, para facilitar a utilização do Android P face ao que tínhamos antes.Há também toda a parte referente à gestão do do próprio Android, onde vai estar disponível uma melhor gestão dos processos em multitarefa e também na própria gestão de energia e dos restantes recursos.Tal como em todas as versões de teste anteriores, a Beta 4 do Android P está apenas disponível para um conjunto limitado de equipamentos, mas desta vez não se limitando aos Pixel.Não se sabe ao certo quando será lançado o novo Android P, mas espera-se que surja muito em breve, provavelmente acompanhado do, já várias vezes falado, Pixel 3, como é normal na Google. Se estão já a testar o Android P, devem procurar esta atualização, que está já a ser disponibilizada via OTA.source:pplware.sapo.pt

Será quase impossível fazer downgrade do Android Oreo

7 de Setembro de 2017 às 08:56
Android


O Android Oreo já chegou e trouxe muitas novidades. Se a sua maioria são visíveis e acessíveis a todos, há também muitas que estão escondidas e a proteger o utilizador e os seus dados.Uma dessas melhorias é o Rollback Protection, uma proteção que vai impedir que sejam instaladas versões mais antigas do Android nos smartphones, apenas para garantir a segurança dos utilizadores.
Esta novidade foi apresentada de forma muito discreta na última I/O e faz parte do novo pacote de elementos de proteção do Android Oreo. A Google decidiu agrupar todas estas opções de segurança num único local, para assim estarem mais controladas e mais acessíveis.O que é o Rollback Protection?A ideia base do Rollback Protection é evitar que os utilizadores instalem versões mais antigas do Android ou removam atualizações de segurança, ficando assim expostos a problemas que estão já resolvidos.Para a quase totalidade dos utilizadores estas são boas notícias. O Android estará mais protegido e será quase impossível explorar algumas falhas bem conhecidas e que vão sendo resolvidas ao longo do tempo, estando os dados ainda mais salvaguardados.Como funciona o Rollback Protection no Android Oreo?Para o conseguir, o Android Oreo avalia no momento do arranque vários fatores do sistema operativo. Entre eles está um código do próprio Android, o Rollback Index, onde passará a constar a versão da atualização.O telefone terá também guardado, numa zona de memória protegida, o código mais elevado a que teve acesso e fará a comparação com o valor, para assim decidir se houve ou não alterações ao sistema.Claro que se este número for diferente o smartphone não arrancará, bem como se entender que o número guardado na memória foi adulterado. Este será guardado com uma segurança elevada, pelo que não será possível fazer alterações. A Google tem informação sobre o Rollback Protection nesta página.Mas estamos todos obrigados a ficar com o Android Oreo?Se para a maioria esta novidade não é um problema e até é bem-vindo, alguns utilizadores vão querer fazer alterações à sua vontade. Para isso a Google criou um item de configuração que poderá ser alterado e que desativará o Rollback Protection. Será similar ao desbloqueio do bootloader. O Rollback Protection estará disponível no equipamentos mais recentes e que, claro, tenham o Android Oreo. Esta é mais uma medida simples que trará mais segurança ao Android e aos utilizadores, impedindo que estes usem versões com falhas de segurança e que os colocam em perigo.source: pplware.sapo.pt

O Android já ultrapassou o Windows no uso da Internet

4 de Abril de 2017 às 09:52
Android Windows Internet


A importância dos sistemas operativos móveis é cada vez maior. Estas são as plataformas escolhidas por terem uma maior mobilidade e, em muitos casos, nos acompanharem no dia-a-dia.Este cenário de evolução teve agora uma confirmação de peso, com o Android a ultrapassar pela primeira vez o Windows no acesso à Internet.
Os dados que confirmam esta mudança vieram da StatCounter e comparam a os sistema de todas as plataformas, incluindo os desktops, laptops, smartphones e tablets.Março foi o mês da mudança e, finalmente, o Android assumiu mais uma liderança. Desta vez o alvo foi o acesso à Internet, onde passou, ainda que por muito pouco, o sistema mais usado, o Windows.O novo domínio do AndroidA diferença entre estes dois sistemas é ainda muito pequena, mas mostra claramente que este pode ser um passo dado num sentido que poderá não ter retorno. Com 37,93% o Android está agora à frente do Windows, que tem 37,91%, sendo esperado que este cenário se mantenha.Para o CEO da StatCounter esta é uma mudança histórica e que marca o fim de uma era, que vinha desde 1980.This is a milestone in technology history and the end of an era. It marks the end of Microsoft’s leadership worldwide of the OS market which it has held since the 1980s. It also represents a major breakthrough for Android which held just 2.4% of global internet usage share only five years ago.Para o Android é também uma vitória importante, uma vez que este sistema tinha apenas 2,4% da utilização global da Internet à apenas 5 anos.O Windows ainda é o sistema operativo mais usadoÉ claro que o Windows é ainda o sistema mais usado no desktop para acesso à Internet, dominando o mercado com 84% e mantendo a sua posição de destaque.Curiosa é a mudança que está a acontecer na Ásia, onde o Windows está a ser abandonado e onde o Android já o ultrapassou, tendo um domínio total e completo, uma tendência que está já a conquistar outros mercados.Com este cenário presente, é pouco compreensível o abandono da Microsoft no seu sistema operativo móvel, que seria a sua alternativa ao Windows.Os números da StatCounter comprovam uma tendência que é cada vez real e que revelam que o desktop está em declínio, estando a escolha a cair nos smartphones Android.source: pplware.sapo.pt

Eye: A nova forma de ter o Android no seu iPhone

14 de Março de 2017 às 10:05
Eye Android IOS


Algo que se procura há muitos anos é uma forma de ter os diferentes sistemas operativos a correr em qualquer plataforma. Misturar o Android com o iOS ou o macOS com o Windows não é simples e raramente se consegue.Mas, mais uma vez, surge uma solução que cria uma versão híbrida, onde podemos ter o Android a correr lado a lado com o iOS, onde o utilizador tem acesso ao melhor que estes dois sistemas podem oferecer. Vamos conhecer o Eye, a próxima revolução para o iPhone.
A maioria dos utilizadores optam pelo iPhone não pelas funcionalidades que oferece, mas sim pela facilidade de utilização do iOS. Mas muitos continuam a pensar no que o Android oferece e na liberdade presente no sistema da Google.O que na verdade os utilizadores gostavam era mesmo de uma solução híbrida em que teriam o melhor do iOS acompanhado com o a modularidade do Android. É aqui que entra uma nova proposta, o Eye, que é uma capa que dá ao iPhone a possibilidade de ter o Android a correr na parte de trás, literalmente.Esta é uma capa, com um ecrã traseiro de 5 polegadas, e que corre nativamente o Android. Integra várias coisas que o Android tem e que o iOS acaba por não oferecer. Falamos do NFC, da expansão de memória por cartão de memória, do jack de 3,5mm e outras coisas.O Eye consegue ainda funcionar como uma bateria externa que aumenta a vida útil do iPhone e até tem uma versão que suporta um segundo cartão SIM, funcionando como um segundo telefone. Um extra que todos vão dar como bem vindo é o carregamento sem fios, algo que a Apple tão cedo não deverá oferecer.Ainda não está disponível para compra, estando ainda em Kickstarter a procurar verbas para se tornar uma realidade para poder ser comprada.Com o que oferece, o Eye acaba por não ser caro, estando disponível em 2 tamanhos e em dois formatos. Falamos do modelo para os iPhone e para os iPhone Plus e a versão com e sem cartão SIM. Os preços começam nos 95 dólares, indo até aos 149 dólares.Esta pode ser finalmente a abordagem que todos esperavam. Uma capa muito discreta, que dá aos utilizadores do iPhone uma nova face, onde podem ter acesso a tudo o que Android tem de melhor.source: pplware.sapo.pt

Afinal qual o smartphone Android mais rápido?

19 de Dezembro de 2016 às 09:36
Android Smartphone


No segmento Android existem várias máquinas que oferecem uma super performance. No entanto, tendo apenas em consideração as especificações, é difícil identificar qual será o smartphone com mais poder.Para se tentar saber qual o smartphone Android mais poderoso da actualidade, nada melhor que colocar lado a lado três dos melhores smartphones com o sistema operativo da Google.OnePlus 3T, Samsung Galaxy S7 e Google Pixel… qual será o mais poderoso?
Como já informamos em outros artigos, o Google Pixel e o OnePlus 3T têm o SoC Snapdragon 821 da Qualcomm. Relativamente ao S7 o SoC do modelo em testes é um Snapdragon 820 (2.15 GHz).OnePlus 3T vs. Galaxy S7 Edge vs. Google Pixel XL! Qual o mais rápido?Como podemos ver, o mais poderoso do mundo Android é o OnePlus 3T. As razões podem ser muitas, mas possivelmente é tudo uma questão de optimização ao nível do sistema operativo, isto porque o OnePlus 3T vem com o Oxygen OS.O Samsung Galaxy S7 Edge é o que equipamento que apresenta os piores resultados, sendo bastante lento comparativamente aos outros dois. No jogos nota-se claramente a falta de poder do Galaxy S7 Edge muito provavelmente por culpa da GPU Mali-T880 MP12.De referir ainda que o Galaxy S7 Edge e o Pixel XL têm apenas 4GB de RAM. Já o OnePlus 3T tem 6GB de RAM.source: pplware.sapo.pt

Android domina o mercado com 90% dos smartphones vendidos

4 de Novembro de 2016 às 09:45
Android


Todos sabem que apesar do iOS e do iPhone serem os mais lucrativos, é o Android que domina o mercado dos smartphones, em número de unidades vendidas.Mas se este é um domínio que é natural, por várias razões, nunca esteve tão vincado como agora. No último trimestre quase 90% dos smartphones vendidos eram Android.

Os números que comprovam este novo máximo do Android foram avançados pela empresa de análise de mercado Strategy Analytics, que estima que no terceiro trimestre de 2016, 88% dos smartphones que entraram no mercado eram alimentados pelo sistema operativo da Google.O domínio do Android nas vendasEste valor não acontece por acaso e resulta de perdas dos sistemas concorrentes e do natural aproveitamento que foi feito pelo Android. Não se venderam menos smartphones, muito pelo contrário, com o valor para o trimestre a ser de 375,4 milhões de unidades, o que representa um crescimento de 6% face a 2015.Envios globais de smartphones por SO (Milhões de unidades)3ºQ ’153ºQ ’16Crescimento Ano-a-Ano (%)Android298,0328,610,3%Apple iOS48,045,5-5,2%Outros8,21,3-84,1%Total354,2375,46,0%Há a destacar que o iOS e o iPhone perderam 5,2% face ao mesmo período do ano anterior e que, aqui sim uma surpresa completa, o Windows Phone e o BlackBerry desceram 84,1% face a 2015, tendo agora uma expressão quase nula.O mercado global é dominado pelo AndroidAo analisar os números de quota de mercado a mesma realidade anterior pode ser vista. Aqui o Android domina já com 87,5%, tendo o iOS apenas 12,1% do mercado. Os “Outros”, que combinam o Windows Phone e o BlackBerry têm também aqui um valor marginal, com apenas 0,3%, tendo caído dos 2,3%.Quota de mercado global de smartphones por SO (%)3ºQ ’153ºQ ’16Android84,1%87,5%Apple iOS13,6%12,1%Outros2,3%0,3%Total100,0%100.0%Crescimento Total Ano-a-Ano %9,5%6,0%Curiosamente as perdas da Apple resultam em vendas abaixo do esperado na China e em África. No caso do Android parte do seu crescimento resulta das vendas de equipamentos de entrada de gama, principalmente nos mercados emergentes.Mesmo com este domínio completo, a Google e o Android têm alguns desafios importantes pela frente. Este SO está presente com cada vez mais marcas e com cada vez mais equipamentos, o que leva a que os lucros sejam reduzidos. Poucas marcas conseguem te

Finalmente encontraram uma forma de correr Android no iPhone

9 de Junho de 2016 às 10:43
Android Apple


Um dos pedidos mais impossíveis de realizar no mundo dos smartphones é a possibilidade de colocar um sistemas operativo a correr em hardware da concorrência. Em especial muitos gostavam de ver o Android a ser executado no hardware de um equipamento da Apple e assim verem satisfeita uma curiosidade que dura há vários anos.Mas parece que este feito foi agora conseguido, se bem que de forma não directa. Graças a uma pequena caixa de protecção é agora possível ter o Android a correr no iPhone.

Este feito foi conseguido por um programador que já várias vezes foi referenciado, Nick Lee. Os seus “feitos” nesta área são de certeza recordados por todos. Foi ele que conseguiu colocar o Windows 95 a correr num Apple Watch.A sua proeza agora foi conseguir colocar o Android a correr em qualquer iPhone, mas com recurso a um pequeno truque. Na verdade o que Nick Lee conseguiu fazer foi usar o ecrã do iPhone para conseguir mostrar o ecrã de uma pequena board que tem na caixa que construiu. Para o fazer recorre a uma aplicação que recebe a entrada de vídeo, recorrendo ao cabo lightning.Para além da aplicação que criou, Nick Lee tratou também de todo o hardware e da caixa, que mais parece uma batera externa.Para correr o Android é usada uma board LeMaker HiKey, que fica guardada dentro da caixa criada numa impressora 3D, e que contém ainda todos os elementos adicionais, como a bateria e um boost converter que aumenta a voltagem da bateria e assim consegue alimentar a board usada.Esta caixa tem ainda abertura para a intrododução de um cartão SD card, uma porta HDMI e outra USB.O vídeo abaixo, da autoria de Nick Lee, mostra o seu produto final a ser usado. O iPhone está a correr Android, se bem que é apenas usado como ecrã para a visualização.Todas as funcionalidades do Android estão disponíveis. O acesso à Play Store é possível, bem como a sincronização da conta Google e todos os demais elementos.Depois de usado o Android, basta carregar no botão principal do iPhone e tudo volta a ser como antes, tomando o iOS conta do iPhone.
 Esta é uma falsa materialização de um conceito que muitos aguardavam há já muitos anos. A ideia de poder trocar de sistema operativo tem sido conseguida por alguns projectos, mas sempre com resultados abaixo do esperado e com falhas que os tornam impossíveis de usar.source: pplware.sapo.pt

Cuidado, um simples SMS está a infectar os smartphones Android

17 de Fevereiro de 2016 às 10:14
Android


Os problemas de segurança do Android são a sua maior preocupação. Frequentemente são descobertas novas falhas que comprometem o sistema operativo móvel da Google e que deixam os utilizadores expostos.O mais recente problema, de nome Mazar Android BOT, propaga-se com um simples SMS e é de tal forma grave que pode levar à escuta de todas as comunicações feitas e até à perda dos dados dos utilizadores.

Este novo malware está a propagar-se rapidamente pelos utilizadores Android e mais uma vez faz uso da ingenuidade de muitos utilizadores para conseguir atingir os seus objectivos.A sua descoberta foi feita pela empresa de segurança Heimdal, que alertou o mundo para este problema e para a forma simples como se propaga.Como se propaga esta nova ameaça?Os atacantes que estão a propagar o Mazar Android BOT enviam uma mensagem de texto para os telefones das suas vítimas, com um simples link para uma mensagem MMS que está a aguardar que seja descarregada.You have received a multimedia message from +[country code] [sender number] Follow the link http: //www.mmsforyou [.] Net / mms.apk to view the message.Na verdade esse link leva a que seja instalada a aplicação TOR, que vai ter permissões de administrador, e permite que seja feita uma ligação para um servidor específico desta rede, controlado pelos atacantes, para instalação do software adicional.Ao mesmo tempo é também enviado um SMS para um número no Irão, com a mensagem “Thank you”. Nessa mesma mensagem vai incluída a localização da vítima. A partir desse momento o smartphone está comprometido e os atacantes podem capturar todo o tráfego gerado, ler mensagens de texto, contornar processos de autenticação ou simplesmente eliminar todos os dados do smartphone.Como se pode proteger deste problema?A forma mais simples de se proteger contra o Mazar Android BOT começa por seguir as mais básicas medidas de segurança. Nunca deve clicar em links que acompanhem mensagens SMS ou MMS. Deve também ter muito cuidado com as aplicações que instala e verificar sempre as fontes de onde elas são originárias, evitando instalar aplicações de fora da Play Store.Caso desconfie que o seu smartphone está já comprometido, comece por alterar todas as palavras-passe dos serviços a que acede e procure ajuda profissional, que lhe permitirá eliminar este malware do seu smartphone Android. Curiosamente o Mazar Android BOT tem a particularidade de não afectar utilizadores Russos, rejeitando-se a infectar os equipamentos que tenham esse idioma definido.Este é mais um problema que a Google tem em mãos e que precisa de resolver rapidamente. A segurança no Android tem sido sempre muito precária e recorrentemente surgem estes problemas.source: pplware.sapo.pt

A função “Não incomodar” desapareceu novamente do Android

28 de Dezembro de 2015 às 09:39
Android


O Android tem vindo a ganhar novas funções dedicadas aos utilizadores e ao seu bem estar. Uma das principais, o “Não Incomodar”, tem estado a ser constantemente melhorado, mas a Google nem sempre o tem mantido.Depois de ter surgido e removido algumas vezes, voltou a desaparecer, mas sem que isso tivesse resultado de uma actualização.

A função “Não Incomodar” surgiu no Android na versão 5 e passou a garantir aos utilizadores a possibilidade de desligarem todos os alertas e notificações sempre que assim o entendessem.Ao longo do tempo, esta função tem sido removida sem razão aparente e voltado sem que a Google dê qualquer indicação das razões que a levam a fazer essa alteração.Estas mudanças têm deixado os utilizadores do Android perdidos e com dúvidas se ela se vai manter, pelo menos da forma a que estão habituados.Depois de ter voltado no Android 6, é agora hora de voltar a desaparecer, com a chegada do Android 6.0.1. O que existe de diferente desta vez foi a forma como a função foi removida.Todos os utilizadores que reportam o problema do desaparecimento do “Não Incomodar”, relatam que tiveram a função funcional até ontem de manhã, mas que de um momento para o outro desapareceu, sem que tenha sido realizada qualquer alteração.Fica assim claro que a Google tem a capacidade de alterar as funções do seu Android remotamente, sem notificar os utilizadores e sem necessitar que estes instalem qualquer actualização. É uma situação estranha e nova, que a Google nunca tinha relatado aos utilizadores nem aos programadores.Para já os relatos surgem de utilizadores dos Nexus, sendo estes os únicos que têm a mais recente versão do Android instalada. A maioria são utilizadores do Nexus 6P, mas existem também utilizadores do Nexus 5 que relatam o mesmo problema.source: pplware.sapo.pt

75% dos utilizadores do Windows Phone migra para Android ou iOS

19 de Novembro de 2015 às 09:36
Windows Android IOS


A guerra dos sistemas operativos móveis nunca esteve tão acesa. Cada marca e sistema tenta cativar para si utilizadores, com propostas de novos equipamentos e de novas funcionalidades, procurando sempre inovar e ser diferente.Um estudo recente mostrou uma realidade que poderia ser desconhecida da maioria. O nível de fidelização aos sistemas operativos é muito baixo em alguns casos e o Windows Phone tem dos mais baixos de todos.

O estudo Mobility Report, da Ericsson, veio mostrar que os diferentes cenários que levam os utilizadores a manter-se ou não fieis aos sistemas onde estão integrados e que escolheram como os seus.O exemplo mais gritante e que é de longe o mais revelador, está nos utilizadores do sistema operativo móvel da Microsoft. Quem escolheu este sistema operativo tem uma apetência natural para mudar para outro na hora de realizar uma actualização. Ao todo são 75% dos utilizadores os que se mostram dispostos a mudar para outro sistema operativo.As escolhas para a troca são óbvias e recaem sobre o Android e sobre o iOS, com o sistema operativo da Google a ser o preferido. A diferença para o iOS é, neste caso, substancial.Ao todo são 60% os que optam pelo Android e 15% os que escolhem o sistema operativo móvel da Apple.Apenas 20% revelou que decidiu ficar no Windows Phone no momento de trocar de equipamento. As preferências dos restantes 5% não são especificadas no estudo.O estudo da Ericsson mostrou ainda de que forma os utilizadores dos restantes sistemas operativos móveis se comportam face à possibilidade de um upgrade.O sistema com seguidores mais fieis, e que não pensam em trocar, é o Android. São 82% os utilizadores que decidiram manter-se neste sistema da próxima vês que comprarem um smartphone novo.Mas do lado do iOS os números também são positivos, com 73% dos utilizadores a optarem por manter-se no sistema operativo da Apple no futuro.Uma última conclusão que pode ser obtida deste estudo é que os utilizadores de smartphones topo de gama são mais fieis ao ecossistema escolhido face aos utilizadores que têm equipamentos de gama mais baixa, que mais facilmente ponderam a troca para outro sistema.Para criar este estudo e as suas conclusões, a Ericsson recolheu informações de mais de 100 redes espalhadas pelo mundo, criando perfis de comportamento dos utilizadores e dos sistemas operativos usados.source:pplware.sapo.pt