219 347 706 Email Facebook
ChinaMicrosoftWindows10

China pede à Microsoft o código fonte do Windows 10

12 de Dezembro de 2016 às 10:04

China pede à Microsoft o código fonte do Windows 10

12 de Dezembro de 2016 às 10:04
China Microsoft Windows10

A China sempre procurou controlar e gerir os sistemas operativos que estão instalados nas máquinas do estado. Como solução têm sido criadas, nos últimos anos, algumas distribuições Linux mas uma parceriaestabelecida entre o governo chinês e a Microsoft veio abrir portas ao Windows 10.Mas agora a China quer ter acesso ao código fonte do Windows 10. Saiba qual foi a resposta da Microsoft.
O Governo chinês pediu recentemente à Microsoft que lhe disponibilizasse o código fonte do Windows 10. Tal como já aconteceu no passado, o objectivo é ter garantias que o sistema operativo da empresa de Redmond não tem “espiões”.Tal pedido está agora previsto num Decreto de lei daquele país que prevê que qualquer empresa que queira ter os seus produtos na China precisará de disponibilizar o código fonte para que o mesmo seja avaliado.Entretanto a Microsoft já respondeu ao Governo chinês referindo que podem visitar o centro Microsoft em Beijing e assim ver o código fonte do produto. Partilhar o código não é viável, pois não serviria para verificar quais os recursos de segurança…apenas provaria que haveria um código fonte, refere a Microsoft."Sharing source code in itself can’t prove the capability to be secure and controllable…  It only proves there is source code."Sendo agora uma lei daquele país, as empresas terão de arranjar uma forma de a contornar e assim evitar terem de partilhar o código fonte dos seus produtos. A resposta da Microsoft é clara no que diz respeito à partilha, no entanto a empresa de Redmond está disponível para colaborar com as entidades chinesas.source: pplware.sapo.pt

China aprova lei que permite aceder a mensagens cifradas

28 de Dezembro de 2015 às 09:39
China


As leis na China são únicas e pensadas de forma diferente do resto do mundo. O controlo do estado é uma presença constante e tudo é feito para que este seja reforçado sempre que possível.Uma nova lei, aprovada este domingo, vai permitir que o governo possa ter acesso a todas as comunicações, mesmo as cifradas, assim o deseje.

A nova lei, enquadrada em várias medidas de combate ao ciberterrorismo, passou a ditar que todas as empresas que operam no território chinês são obrigadas a facilitar o acesso à informação necessária para quebrar as cifras aplicadas.De forma clara e explicita está declarado que os serviços cifrados passam a ter de entregar as chaves usadas para cifrar as comunicações e as informações que circulem facilitando o acesso a essa informação.Segundo o governo chinês essa informação não será usada para espiar de forma constante os seus cidadãos e apenas será activada quando se justificar, em problemas de segurança que afectem o país.Esta medida levantou sérias preocupações em vários países, que vêem assim ser quebrada a segurança que estes serviços conseguiam dar a todos os que no território chinês necessitavam de manter o anonimato e o sigilo da informação trocada. O próprio presidente Barack Obama mostrou o seu desagrado, directamente ao presidente chinês, Xi Jinping.Se para a maioria das empresas esta será uma medida simples de realizar, por terem as suas chaves de cifra guardadas, existem algumas como a Apple que não o podem cumprir, no caso do seu serviço de mensagens ou do próprio iOS.O iMessages foi criado de forma a que nem a Apple consiga aceder às informações trocadas. No caso do iOS a cifra é também criada de forma a que nem a Apple consiga aceder à informação armazenada.Esta nova lei é, para muitas grupos dedicados a defender os direitos humanos uma medida que vai contra algumas das liberdades mais básicas que se esperariam.Não sendo uma lei que se considere estranha no caso da China, é uma medida que vai colocar a maioria das empresas externas em confronto directo com o governo chinês e criar backdoors que não são desejados.
source: pplware.sapo.pt