219 347 706 Email Facebook
PortugalTecnologia

Portugal: A partir de 2040 será proibida a venda de veículos poluentes novos

10 de Setembro de 2018 às 09:22

Portugal e Marrocos vão ficar ligados por cabo elétrico de 220 Km

5 de Dezembro de 2017 às 09:27
Tecnologia


Foi em 2016 que se começou a falar que Portugal e Marrocos poderiam vir a ser “ligados” por um cabo elétrico. Segundo as informações, os governos de Portugal e Marrocos estão a concluir os estudos e o cabo será instalado já durante o primeiro semestre de 2018.Ao todo o cabo terá cerca de 220 quilómetros e o projeto está avaliado entre 500 e 700 milhões de euros.
“A integração do mercado energético é do interesse nacional, é algo que o país tenta reforçar há muito. Sempre se pensou que seria por França, mas Marrocos é uma oportunidade muito interessante”, referiu o Ministro da Economia, Caldeira Cabral em 2016.Agora, passados cerca de 2 anos, uma fonte do executivo português revelou à agência Lusa que a questão das interconexões energéticas será um dos principais temas em cima da mesa na 13ª Cimeira Luso-Marroquina, que começa na segunda-feira em Rabat e cuja delegação portuguesa será liderada pelo primeiro-ministro, António Costa, integrando, também, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.O investimento previsto para a construção deste cabo de interligação elétrica entre Portugal e Marrocos ronda os 500 e 700 milhões de euros, tendo como modelo técnico e financeiro o esquema de operação usado na ligação edificada entre a Holanda e o Reino Unido, que custou cerca de 600 milhões de euros.O cabo de interligação elétrica permitirá a Portugal vender energia a Marrocos em alguns momentos de um determinado dia e, eventualmente, comprar em outras alturas desse mesmo dia.Segundo a mesma fonte do Governo Português, Portugal, que já exportou eletricidade no valor de 160 milhões de euros no ano passado, vai seguramente aumentar as suas vendas, mas poderá também importar a custos mais baixos em caso de necessidade”.Em Portugal o cabo deverá ser instalado na zona de Tavira, no Algarve que fará a ligação à cidade marroquina de Tânger.source: pplware.sapo.pt

O nascimento da Super Inteligência e a opinão de Elon Musk

29 de Novembro de 2017 às 10:03
Tecnologia


A Inteligência Artificial é, sem dúvida, a tecnologia que irá marcar o século XXI. Cada vez mais se fala em máquinas inteligentes, redes neuronais e de robôs que já apresentam comportamentos tão próximos do ser humano que até se parecem um de nós.No entanto, tal com a maior parte da tecnologia, também a Inteligência Artificial apresenta os seus perigos e desvantagens. De facto, ao longo dos últimos anos, vários entendidos neste ramo, têm vindo a público expressar sentimentos de preocupação relativamente aos avanços rápidos dos agentes de Inteligência Artificial.
Uma explosão de InteligênciaO aclamado investigador no ramo da Inteligência Artificial, Nick Bostrom, tem sido uma das grandes vozes que tem alertado para os perigos iminentes da Inteligência Artificial. No seu livro, “Super Intelligence”, o autor expõe vários cenários onde tenta imaginar o futuro e decifrar qual o impacto que a Inteligência Artificial terá no Mundo.Um dos desses cenários e, talvez o mais assustador, envolve aquilo a que Nick Bostrom chama de “uma explosão de Inteligência”. Sem querer entrar em grandes detalhes técnicos, uma explosão de Inteligência poderá ocorrer quando as máquinas/computadores ultrapassarem a inteligência humana em larga escala e alcançarem uma capacidade de resolução de problemas que nem em sonhos conseguimos imaginar. Seriam tão inteligentes que conseguiriam reescrever o seu próprio software para se tornarem ainda mais inteligentes.As consequências de tal acontecimento são, ainda hoje, impossíveis de prever. Mas, se tivéssemos que escolher uma palavra, possivelmente seria “caos”. Nós, seres humanos, passaríamos a estar para um Agente Super Inteligente como hoje um gato ou um cão está para nós. Simples animais de estimação.Assim, alguns investigadores na área da inteligência artificial apontam para que tal acontecimento se possa vir a realizar no início da segunda metade do século XXI. Outros, pensam que os computadores atingirão o nível de inteligência humana antes de 2030. Não estamos a escutar os avisos…Para além de investigadores no ramo de Inteligência Artificial, também outras personalidades ligadas à ciência e tecnologia têm dirigido algumas palavras de aviso e preocupação.Uma dessas pessoas é Stephen Hawking, considerado por muitos, a pessoa viva mais inteligente.De facto, não vão muitas semanas desde que o célebre físico britânico se dirigiu ao público na Web Summit e distribuiu palavras de cautela e alguns avisos muito sérios. Stephen Hawking afirmou que é otimista quanto ao futuro, mas que, ainda assim, precisamos de “estar a par dos perigos, identifica-los, usar as melhores práticas e gestão possíveis e preparar para as consequências antecipadamente”. Elon Musk: “Devemos regulamentar a Inteligência Artificial”Foi no princípio desta semana que Elon Musk se serviu da sua conta no Twitter para, mais uma vez, alertar e expor uma estratégia para sermos capazes de desenvolver uma relação saudável com os mecanismos de Inteligência Artificial.Os comentários do CEO da Tesla e da SpaceX surgiram a propósito de um vídeo que tem circulado imenso nas redes sociais ultimamente. Nesse vídeo consegue-se ver um avançado robô que é capaz de dar mortais.Apesar de ainda cair algumas vezes, daqui a pouco tempo pode andar a correr atrás de nós.Elon Musk✔@elonmuskThis is nothing. In a few years, that bot will move so fast you’ll need a strobe light to see it. Sweet dreams… https://twitter.com/mrmedina/status/931291808394440706 …20:54 - 26 de nov de 2017 5.6755.675 Respostas  88.50888.508 Retweets  265.380265.380 favoritosInformações e privacidade no Twitter AdsAssim, Elon Musk escreveu um tweet onde partilha o que, a seu ver, deverá ser a melhor solução. A estratégia do “Homem de Ferro” da vida real passa por regulamentar a Inteligência Artificial, tal como fazemos com o consumo de drogas e o uso de transportes públicos. Só assim poderemos viver mais seguros. YouTube ‎@YouTubeElon Musk✔@elonmuskGot to regulate AI/robotics like we do food, drugs, aircraft & cars. Public risks require public oversight. Getting rid of the FAA wdn’t make flying safer. They’re there for good reason.https://m.youtube.com/watch?v=1plPyJdXKIY …21:01 - 26 de nov de 2017 1.7401.740 Respostas  7.1237.123 Retweets  28.41528.415 favoritosInformações e privacidade no Twitter Ads ConclusãoUma drástica mudança no Mundo pode estar para breve e passa, sem dúvida, pelo avanço tecnológico no ramo da Inteligência Artificial. Assim, devemos avançar com máxima cautela e bom senso para que um dia mais tarde não fiquem sentimentos de perda.Acima de tudo, devemos escutar os mais sábios e estar atentos para que o desenvolvimento de Inteligência Artificial evolua tendo em conta o bem estar do Ser Humano.

IFA 2017: Samsung apresenta o maior monitor de jogos QLED

30 de Agosto de 2017 às 16:32
Tecnologia


E ainda estabelece uma parceria de peso!A IFA 2017 terá início no próximo dia 1 de Setembro e será a montra para muita da tecnologia que as grandes marcas terão para colocar no mercado durante os meses seguintes. Entretanto, começam a surgir as primeiras novidades e da Samsung, que recentemente nos deu a conhecer o seu melhor smartphone de sempre, o Note8, também já há novidades.A Samsung irá lançar o maior monitor de jogos QLED do mundo e anunciou uma nova parceria com a 20th Century Fox e a Panasonic para desenvolver a melhor experiência de visualização possível com tecnologia HDR10+.
O maior monitor gamingFoi durante a Gamescon, que decorreu entre 22 e 26 de agosto em Koelnmesse, Colónia, Alemanha, que a Samsung anunciou o lançamento do Samsung CHG90 QLED Gaming Monitor, o maior monitor de jogos do mundo que oferece uma experiência de visualização cinematografia de estilo IMAX.Este gigante de 49 polegadas, super ultra panorâmico (32:9), estará em montra pela primeira vez na IFA 2017, contando com algumas especificações de peso.Conta com uma resolução de 3840 x 1080 píxies e uma curvatura de 1800R, proporcionando um maior campo de visão e uma maior percepção de profundidade, face a outros monitores disponíveis atualmente no mercado. O seu ecrã de maior dimensão possibilita o melhor desempenho, enquanto a sua proporção de 32:9 permite aos jogadores verem as suas cenas de jogo na íntegra.Tem uma taxa de atualização de 144Hz, o que resulta em cenas de ação mais perfeitas e com menos falhas. Este valor pode ser ajustado para os 60Hz/120Hz sempre que for necessário. Entre as outras funcionalidades integradas, destaque para o tempo de resposta de 1ms (MPRT), para as cores mais realistas graças às tecnologias Quantum dot e HDR, e para a opção Modo de jogo.Equivalente a dois monitores de 27 polegadas de 16:9Estamos perante o equivalente a dois monitores de 27 polegadas de 16:9, colocados lado a lado, querendo assim oferecer a melhor flexibilidade em termos de ambiente multitarefa. Os jogadores deixarão de se preocupar com a configuração de múltiplos monitores e com molduras a dificultar a visualização. Além disto, a Easy Setting Box permite a divisão do ecrã ou a reprodução de múltiplos ecrãs de diferentes dimensões com apenas um clique. A funcionalidade Picture-by-Picture permite a ligação e a visualização de outras fontes, sem degradação da qualidade da imagem original.Além de tudo isto, o CHG90 tem ainda um design apelativo com uma estrutura superior em preto mate, assente sobre um suporte circular. O monitor possui um design ergonómico, que permite ajustar a altura, a rotação, a inclinação e suporta montagem VESA. O CHG90 inclui duas portas HDMI (High Definition Multimedia Interface), DisplayPort e opções de conectividade de saída de som. Uma parceria de pesoAlém deste lançamento, a Samsung ainda se apresenta com uma outra novidade, que também irá dar a conhecer melhor na IFA 2017: uma parceria com a 20th Century Fox e a Panasonic Corporation que tem como objetivo o desenvolvimento de uma plataforma de metadados aberta, dinâmica e isenta de royalties para o High Dynamic Range (HDR), através de um programa associado de certificação e logótipo, primeiramente chamado de HDR10+.Em conjunto, as três empresas vão criar uma entidade de licenciamento que irá dar início ao licenciamento da plataforma HDR10+ em janeiro de 2018. Esta entidade irá licenciar os metadados a todas as empresas de conteúdos, TVs de alta definição, gravadores e leitores de discos Blu-ray, fabricantes de set-top boxes e fornecedores de SoC, sem cobrança de royalties, mas com a aplicação de apenas uma taxa nominal administrativa.O HDR10+ é uma tecnologia revolucionária, criada com base nos benefícios das televisões HDR, que oferece a melhor experiência de visualização possível para os ecrãs de próxima geração. O HDR10+ irá assim garantir uma qualidade de imagem nunca antes vista em todos os ecrãs, com níveis de brilho, cor, e contraste automaticamente otimizados para cada cena. Com o mapeamento de tons dinâmico do HDR10+, cada cena é individualmente melhorada para dar vida a cada gráfico e atingir uma qualidade de imagem sem precedentes.Esta melhoria da experiência visual vai permitir que os consumidores vejam as imagens da forma como os realizadores de cinema originalmente as pensaram.O HDR10+ oferece maior flexibilidade ao nível do sistema, permitindo que uma variedade de parceiros, incluindo criadores e distribuidores de conteúdos, fabricantes de TVs e de equipamentos, integre esta plataforma e melhore toda a experiência de visualização para o público. A plataforma HDR10+ foi desenhada para permitir desenvolvimentos e inovações futuras, e assim garantir a oferta de tecnologia mais potente nos próximos anos.source: pplware.sapo.pt

Avião totalmente elétrico pode voar 965 km com uma única carga

21 de Agosto de 2017 às 09:07
Tecnologia


Não pensem que estamos na era só dos automóveis elétricos, nem pensar, este conceito está a propagar-se a tudo que é veículo, desde as motos, passando pelos veículos pesados até mesmo aos aviões.A empresa Eviation apresentou o seu primeiro protótipo de uma aeronave totalmente elétrica que terá uma autonomia para voar cerca de 965 quilómetros. Este pequeno avião tem a capacidade para transportar seis passageiros e dois membros da tripulação.
O modelo de negócio que a empresa tem em mente é uma espécie de Uber da aviação. Pequenas aeronaves que tenham custos baixos no que toca à sua manutenção e operação.A esta altura, em que estamos mais ligados do que nunca, as nossas opções de mobilidade devem adaptar-se para refletir este novo e eficiente futuro. A nossa aeronave totalmente elétrica representa uma chance para que as pessoas se movam com a velocidade e o impacto que a nossa economia global agora exige.Referiu o CEO da empresa Omer Bar-Yohay.Embora o protótipo da EviationAircraft tenha sido apenas revelado, a empresa afirma que já realizou missões de prova de conceito. A Electrek informa que a Eviation pretende avançar para os estágios de certificação e comercialização até 2018, embora o primeiro modelo de produção possa não chegar até 2020. O potencial do avião elétricoDe acordo com a Comissão Global Europeia para as Alterações Climáticas, o setor aéreo representa mais de dois por cento das emissões totais do mundo. “Se a aviação global fosse um país, seria classificada nos 10 principais emissores”, afirma a Comissão. Claramente, deslocar o setor aéreo para longe dos combustíveis produtores de gases com efeito de estufa é um aspeto fundamental para mudança ambiental global.A aeronave da Eviation poderia ser um elemento-chave para instigar essa mudança, pois o objetivo da empresa é fornecer serviços “que em custo bata o combustível fóssil mas que tenha zero emissões”. Ao tornar as suas aeronaves atraentes no campo económico como no campo ambiental, a empresa forneceria um serviço que as pessoas precisam, enquanto também ajuda a salvar o meio ambiente. NASA grande impulsionadora do conceitoO setor elétrico de transporte aéreo está a observar um crescimento significativo, o que é graças à NASA, que atualmente está envolvida em vários projetos.O Eviation Aircraft é, na verdade, parte do programa On-Demand Mobility da agência, e a NASA também é responsável pelo GL-10, um conceito elétrico que funciona como uma mistura de um helicóptero e um avião.Outra pioneira é a empresa Wright Electric, que planeia fazer uma aeronave muito maior que a apresentada agora pela Eviation. O Wright terá uma capacidade para transportar 150 pessoas, o que significa que poderá substituir aeronaves tradicionais nos voos de médio curso, como de Nova Iorque a Boston, por exemplo.Se algum desses projetos se concretizar, seriam um grande passo em frente no esforço global para acabar com nossa dependência de combustíveis fosseis e desfazer alguns dos danos que já fizemos ao meio ambiente.source: pplware.spao.pt

Encontradas mais de 8.600 falhas de segurança em pacemakers

29 de Maio de 2017 às 09:41
Pacemakers Tecnologia


Quando se fala em em problemas e falhas de segurança, estes temas são sempre relacionados com equipamentos e sistemas informáticos. A verdade é que há muitos mais dispositivos que podem ser atacados, alguns deles relacionados diretamente connosco.Um estudo levado a cabo por uma empresa de segurança revelou uma preocupante realidade. Os pacemakers podem ser atacados e têm muitas vulnerabilidades.
Dedicados a manter e corrigir falhas no coração e muitas vezes a garantir que estes continuam a bater, os pacemakers são peças vitais e que não podem ter falhas. Tal como outro qualquer dispositivo, também os pacemakers são hoje equipamentos conetados e que permitem trocas de dados com os médicos e com os técnicos que os configuram.A investigação da equipa de segurança da empresa WhiteScope debruçou-se nestes dispositivos e descobriu mais de 8600 falhas, que permitem que os pacemakers sejam atacados e até que sejam remotamente reconfigurados.Ao todo foram avaliados 7 pacemakers de 4 marcas, para que fossem descobertas as suas falhas de segurança, que expõem e deixam vulneráveis todos os que são obrigados a usar estes aparelhos.As falhas encontradas são em várias áreas, desde a simples comunicação entre os pacemakers e os equipamentos que a eles precisam de aceder, que não utilizam qualquer tipo de autenticação. Esta situação abre as portas a ataques que podem simplesmente configurar parâmetros da sua configuração até à colocação de malware que pode colocar em risco a vida do utilizador.Há ainda situações relacionada com a recolha de dados e de informação dos doentes, que é transmitida e guardada de forma clara, sem qualquer mecanismo de cifra e de segurança.Dada a natureza e sensibilidade deste tema, toda a informação e os nomes dos fabricantes foi reduzida ao mínimo ou até omitida, tendo no entanto a garantia de que esta foi passada à empresas que trata destes equipamentos.As investigações da WhiteScope seguem a linha de outras já realizadas, como pode ser visto no vídeo acima, e que pretendiam principalmente alertar para estas situações de potencial perigo para os doentes.Já vários passos foram dados no sentido de exigir maior segurança na criação destes dispositivos, garantindo que os utilizadores não estão expostos e que são protegidos.A Intenet das Coisas já chegou há vários anos à saúde e à indústria que a sustenta, mas também aqui os pontos de segurança parecem ter sido relegados para segundo plano.source: pplware.sapo.pt

Ranking portáteis: Apple cai cinco posições

12 de Abril de 2017 às 10:25
Tecnologia


Os Macbook da Apple são, provavelmente, das melhores máquinas no segmento dos portáteis. No entanto são caros e a tendência dos consumidores tem vindo a mudar.Se durante alguns anos a Apple aparecia sempre bem posicionada no ranking da Laptop Mag, este ano as coisas mudaram e a empresa da maçã caiu para a sexta posição.De acordo com o ranking da Laptop Mag, que avalia a reputação das marcas ao nível dos portáteis, a Apple, que estava na primeira posição em 2016, passou diretamente para a sexta posição, tendo sido ultrapassada pela Lenovo, Asus, Dell, HP e Acer.Para proceder à elaboração deste ranking, o Laptop Mag usa seis variáveis/categorias: análises/reviews (35% da pontuação total), desenho, suporte técnico, garantia, inovação e valor.Relativamente à Lenovo, que se encontra agora na primeira posição, as pontuações para cada uma das categorias foram as seguintes:Relativamente à Microsoft, que caiu para a última posição do TOP 10, as pontuações foram as seguintes.Os resultados agora apresentados não são muito surpreendentes tendo em conta o que as empresas têm vindo a fazer neste segmento. A Lenovo tem vindo a crescer significativamente no segmento dos portáteis e, apesar de em 2015 os resultados não terem sido muito favoráveis, a empresa chinesa conseguiu este ano alcançar o primeiro lugar.source: pplware.sapo.pt

Instituto Superior Técnico avalia informática das finanças

10 de Março de 2017 às 10:29
AT Tecnologia Portugal


Nos últimos tempos, uma das noticias que mais discussão tem gerado é o caso dos 10 mil milhões de euros que o Governo deixou “fugir” para offshores entre 2011 e 2014. De acordo com informações recentes, o fisco terá perdido o rasto das transferências e, para isso, pediu ajuda ao Instituto Superior Técnico.
De acordo com uma nota publicada no site da Inspeção-Geral de Finanças (IGF), pode ler-se que a IGF “alargou o âmbito da auditoria que está a realizar ao sistema de informação e controlo das declarações transfronteiriças – anomalias ocorridas no tratamento informático das declarações modelo 38 pela Autoridade Tributária e Aduaneira”.Apesar dos bancos terem enviado a informação para o Fisco, a verdade é que o este perdeu o rasto a 10 mil milhões de euros que, assim, não foram “tratados” pela Autoridade Tributária e Aduaneira (ao todo foram 20 declarações de operações transfronteiras que passaram “ao lado” da Autoridade Tributária e Aduaneira).Agora, para conseguir obter alguma informação adicional, a Autoridade Tributária passa a contar com a colaboração do Instituto Superior Técnico que vai avaliar a informática das finanças.Source:pplware.sapo.pt

Incrível! Espanhóis criam impressora para fabricar pele humana

25 de Janeiro de 2017 às 10:01
Tecnologia


A tecnologia evolui a uma velocidade impressionante. Se as impressoras 3D são uma excelente inovação, para os mais diversos cenários, o que dizer de uma bioimpressora 3D capaz de fabricar pele humana? Este projecto foi recentemente apresentado pelos nuestros hermanos.
Um grupo de investigadores, da Universidade Carlos III de Madrid, desenvolveu uma impressora capaz de fabricar pele humana que pode ser usada em transplantes, produtos cosméticos, etc.Na prática, com esta impressora, será possível a replicação da estrutura natural da pele. O objectivo é produzir pele em grande escala e reduzir os custos de criação de pele humana através de biotintas, em vez dos tinteiros tradicionais.Segundo José Luis Jorcano, professor do departamento de Bioengenharia da Universidade Carlos III de Madrid e responsável pela unidade de Engenharia Biomédica do CINEMAT:Esta pele pode ser usada em transplantes e também pode ser usada para investigação e teste de produtos cosméticos e farmacêuticos. O uso de biotintas acelera um pouco o tempo, mas não muito, porque a duração depende da taxa de crescimento das células.Além da natural aprovação desta tecnologia para utilização em centros médicos, os investigadores continuam os trabalhos com o objectivo de conseguirem imprimir outros tecidos, incluindo vasos sanguíneos e válvulas cardíacas.Via Universidad Carlos III de Madridsource: pplware.sapo.pt

Agora há uma pulseira que lhe diz se está bêbado

9 de Janeiro de 2017 às 10:02
Tecnologia


“Inventam tudo” é provavelmente o que lhe passa na cabeça neste momento. Mas é mesmo verdade! A evolução da tecnologia tem-nos presenteado com ideias bastante diversificadas, umas úteis, outras nem por isso.Uma novidade, apresentada na CES 2017, é a Proof, uma pulseira que lhe indica se já bebeu de mais e o quão bêbado está.
Se costuma sair à noite e, por vezes, bebe mais do que aquilo que devia e reconhece que não tem forma de controlar essa situação, agora já há a solução ideal.Chama-se Proof e é uma pulseira que, ligada a uma app do smartphone, lhe indica o quão bêbado está no momento.Com tanta tecnologia e ideias sempre a surgir, como é que nunca ninguém tinha pensado nesta?Este wearable, que pertence à empresa Milo Sensors, foi apresentado na CES 2017, em Las Vegas, e o seu funcionamento é semelhante às bem conhecidas smartbands. Contudo, em vez de registar os batimentos cardíacos, exercício físico ou sono, o Proof dedica-se a medir o nível de álcool através da pele do utilizador.A pulseira traz consigo um sistema de sensores electroquímicos baseados em enzimas que convertem o álcool transpitado em corrente eléctrica e, assim, o equipamento fornece ao utilizador a informação da quantidade de álcool que tem, de momento, no seu sangue. Trata-se de um procedimento semelhante ao de “soprar ao balão”.Em declarações ao WearableZone, Bob Lansdorp, co-fundador do projecto, referiu que…The alcohol that’s in your bloodstream diffuses through your skin, and we pick up those trace amounts that would naturally just go off into the air.Bob Lansdorp refere ainda:We capture those and turn them into a signal that relates to the alcohol content in your blood.With our device, you put it on at the beginning of the night, forget about it, and throughout the night it tracks your BAL continuously.A visualização do nível de álcool é possível através da app que sincroniza com os dados enviados pela pulseira, que estará disponível para Android e iOS.Para além de lhe dizer se já bebeu de mais, o Proof disponibiliza ainda uma espécie de rede social onde poderá ver o nível de álcool dos seus amigos, para que também consiga alertá-los.Para já o Proof ainda não se encontra no mercado, mas, segundo a empresa, será iniciada uma campanha de crowdfunding, já este ano, para que esta pulseira seja uma realidade acessível a todos.No que respeita a valores, estima-se que ronde os 100€ – 150€.source: pplware.sapo.pt

Noruega ultrapassa os 100.000 carros 100% elétricos vendidos

5 de Janeiro de 2017 às 09:44
Noruega Tecnologia


O paraíso para os carros elétricos, ou seja, a Noruega, alcançou a marca dos 100 mil carros 100% elétricos ainda antes do final de 2016. Este é um feito que ficará certamente registado na sua história.No mundo, poucos são os países que conseguiram já bater este número, a Noruega foi o quarto país a conseguir.
Como é sabido, a Noruega sempre procurou modernizar o seu parque automóvel e, desde cedo, as entidades governamentais fizeram questão de apoiar o investimento em veículos elétricos.Com o término do ano 2016, o Secretário-Geral da Associação Norueguesa de carros elétricos, Christina Bu, confirmou que a Noruega se tornou no quarto país na história a chegar a 100.000 unidades. À sua frente estão 3 países bem conhecidos nestas lides, como os Estados Unidos, Japão e China. Contudo, se verificarmos o tamanho do país face à população dos outros 3 que estão no pódio, notamos um grande esforço, isto porque a Noruega tem pouco mais de cinco milhões de habitantes, o que, comparado com os outros, é muito pequeno, face aos mais de 300 milhões de americanos ou aos mais de mil milhões do país mais populoso do mudo, a China!Apesar da fama adquirida, a verdade é que só de há um ano e meio para cá é que houve uma aceleração na venda destes veículos. Isto também se deveu ao facto do mercado automóvel do país ser muito heterogéneo, isto é, há umas marcas que são mais conceituadas e não têm ainda uma vasta oferta no que toca aos automóveis elétricos. Quais as marcas mais vendidas no segmento elétrico no país?Segundo a informação disponibilizada pela associação responsável por este setor, o Nissan LEAF levou uma vantagem inicial, representando 27.115 unidades (dentro dos 100.000). A marca nipónica é seguida pelo Volkswagen e-Golf, com 15.991 unidades vendidas, depois vem o Tesla Model S com 11.615 unidades vendidas, o BMW i3 com 8011 unidades vendidas e, por fim, o Kia Soul EV com 6632 unidade vendidas.As autoridades estão cientes da sua cooperação e do incremento que se tem notado no parque automóvel do presente, isto porque se estima que carros elétricos sejam já 25% a 35% do total de veículos a circular na Noruega.Para aumentar o entusiasmo neste mercado, existem incentivos até no momento da compra, além de um programa de benefícios que está projetado para, em 2020, o país contar com mais de 400 mil viaturas 100% elétricas. Em 2025, provavelmente, as estradas do país apenas terão carros elétricos e, os veículos a combustível fóssil, podem fazer parte de uma história enfumada e barulhenta do passado.